Bairros de classe média alta concentram casos de Covid-19

Geral


 

Gabriel Damásio
Um levantamento diá-
rio feito pela Secreta-
ria Municipal de Saúde (SMS) mostra que, em Aracaju, os casos de coronavírus estão se concentrando principalmente nos bairros considerados de classe alta ou média alta. A capital registrou, até a manhã de sábado, 3.784 pacientes infectados, o que a coloca como epicentro da pandemia em Sergipe. Já o registro bairro por bairro apontava Farolândia, Jabotiana, Luzia, Zona de Expansão e Jardins como as cinco regiões que mais concentram pacientes com a nova doença, seguidas bem de perto por Atalaia e 13 de Julho. Todas concentram condomínios e bolsões residenciais considerados de alto padrão, mesmo tendo também sobre si a abrangência de conjuntos populares, de classe mais baixa. 
O destaque ficou para o Farolândia, que engloba o Conjunto Augusto Franco (maior conjunto residencial de Aracaju e os condomínios no entorno de um campus da Universidade Tiradentes (Unit). No sábado de manhã, o bairro registrou 286 casos de Covid-19. Na sexta-feira, haviam 275 casos no bairro, contra 271 de quinta-feira e 266 da quarta. Em segundo lugar, vem o Jabotiana, que reúne os conjuntos JK, Sol Nascente e Santa Lúcia, além da comunidade do Largo da Aparecida (muito afetado pelas chuvas recentes). No balanço de sábado, ele estava com 272 registros, contra 260 da sexta, 252 da quinta e 247 da quarta.
O terceiro lugar ficou com o Luzia, que abrange algumas das principais vias de ligação da zona sul de Aracaju, como a rua Nestor Sampaio e as avenidas Tancredo Neves, Hermes Fontes e Nova Saneamento, nas quais foram construídos muitos condomínios, principalmente na região da Alameda das Árvores. Ela também reúne conjuntos mais populares e com predominância de funcionários públicos, como Médici I, Alvorada, dos Motoristas e Novo Horizonte, além de loteamentos como o Gravatá e o Jardim Baiano. O Luzia fechou o sábado com 234 casos de coronavírus, contra 226 da sexta, 219 da quinta e 212 da quarta.
A Zona de Expansão, por sua vez, é uma reunião de bairros e povoados do extremo sul de Aracaju, que registraram nos últimos anos um grande crescimento dos condomínios fechados próximos às praias. Ela ficou em quarto lugar no ranking por causa da soma dos pacientes infectados nos seus três principais bairros componentes: Aruana (102 casos), Mosqueiro (40) e Robalo (26). Somando-se os 13 registros das outras comunidades do bairro, como os povoados Areia Branca e São José, a região soma 181 casos de coronavírus. Dentre os outros bairros que mais registraram casos da doença, estão o Atalaia (131 casos), Centro (100), Coroa do Meio (102), Grageru (128), Inácio Barbosa (120), Jardins (148, incluindo o loteamento Garcia), Ponto Novo (130) e 13 de Julho (120 casos). 
Na outra ponta, os bairros periféricos ou populares têm concentrado menos registros de coronavírus, embora tenham uma maior concentração de pessoas. Nesta classificação, os locais com mais casos de coronavírus são o São Conrado (132 casos), o Santos Dumont (119) e o Santa Maria (100), mas chama a atenção o número de pacientes infectados em alguns destes bairros. O menor deles é o Capucho, que abriga o Centro Administrativo e teve apenas um caso da doença. Em seguida vem o Marivan (com 9 casos), o Dom Luciano (antigo Pau ferro, com 10 casos), o 17 de Março (11 casos), a Soledade (27), o Salgado Filho (41) e o Cidade Nova (61 casos). 237 pacientes não informaram endereço e um caso é de outra cidade.
Esta distribuição dos pacientes com coronavírus, baseada nos endereços fornecidos pelos pacientes, chama a atenção da SMS, que se baseia em tais dados para traçar novas estratégias para conter o avanço da doença. A secretária Waneska Barbosa demonstrou preocupação maior com a grande concentração de moradores idosos em alguns desses bairros, como Atalaia, Jabotiana, 13 de Julho, Santos Dumont, São José, Centro e Cirurgia. Os idosos são os que apresentam um maior risco de morte por complicações causadas pela Covid-19. "Isso pode ser refletido nas nossas portas de urgências. A gente tem recebido muitos pacientes idosos, com idade acima de 60 anos, com várias comorbidades, e que tem entrado nas nossas urgências com a saúde mais agravada, precisando de atendimento em leitos de UTI", disse ela. 
As redes sociais da Prefeitura de Aracaju começaram a fazer postagens específicas com os números de cada bairro, alertando aos moradores para a necessidade de que eles cumpram o isolamento social. "Se você mora no bairro Farolândia fique atento(a)! 275 casos de covid-19 já foram confirmados na região. #FiqueEmCasa #UseMascara", diz uma das mensagens. O mesmo recado vem sendo transmitido por meio de mensagens veiculadas em carros de som que a PMA fez circular pelas ruas dos bairros mais afetados. Waneska, que também foi infectada com o coronavírus e está em isolamento, também reforçou o apelo em sua mensagem. "A gente pede à população que escute o que a gente vem falando e as autoridades sanitárias. Que pratiquem o distanciamento social caso precisem sair de casa, que usem máscaras, e que os idosos mantenham-se em suas casas", frisa a secretária. 

Gabriel Damásio

Um levantamento diá- rio feito pela Secreta- ria Municipal de Saúde (SMS) mostra que, em Aracaju, os casos de coronavírus estão se concentrando principalmente nos bairros considerados de classe alta ou média alta. A capital registrou, até a manhã de sábado, 3.784 pacientes infectados, o que a coloca como epicentro da pandemia em Sergipe. Já o registro bairro por bairro apontava Farolândia, Jabotiana, Luzia, Zona de Expansão e Jardins como as cinco regiões que mais concentram pacientes com a nova doença, seguidas bem de perto por Atalaia e 13 de Julho. Todas concentram condomínios e bolsões residenciais considerados de alto padrão, mesmo tendo também sobre si a abrangência de conjuntos populares, de classe mais baixa. 
O destaque ficou para o Farolândia, que engloba o Conjunto Augusto Franco (maior conjunto residencial de Aracaju e os condomínios no entorno de um campus da Universidade Tiradentes (Unit). No sábado de manhã, o bairro registrou 286 casos de Covid-19. Na sexta-feira, haviam 275 casos no bairro, contra 271 de quinta-feira e 266 da quarta. Em segundo lugar, vem o Jabotiana, que reúne os conjuntos JK, Sol Nascente e Santa Lúcia, além da comunidade do Largo da Aparecida (muito afetado pelas chuvas recentes). No balanço de sábado, ele estava com 272 registros, contra 260 da sexta, 252 da quinta e 247 da quarta.
O terceiro lugar ficou com o Luzia, que abrange algumas das principais vias de ligação da zona sul de Aracaju, como a rua Nestor Sampaio e as avenidas Tancredo Neves, Hermes Fontes e Nova Saneamento, nas quais foram construídos muitos condomínios, principalmente na região da Alameda das Árvores. Ela também reúne conjuntos mais populares e com predominância de funcionários públicos, como Médici I, Alvorada, dos Motoristas e Novo Horizonte, além de loteamentos como o Gravatá e o Jardim Baiano. O Luzia fechou o sábado com 234 casos de coronavírus, contra 226 da sexta, 219 da quinta e 212 da quarta.
A Zona de Expansão, por sua vez, é uma reunião de bairros e povoados do extremo sul de Aracaju, que registraram nos últimos anos um grande crescimento dos condomínios fechados próximos às praias. Ela ficou em quarto lugar no ranking por causa da soma dos pacientes infectados nos seus três principais bairros componentes: Aruana (102 casos), Mosqueiro (40) e Robalo (26). Somando-se os 13 registros das outras comunidades do bairro, como os povoados Areia Branca e São José, a região soma 181 casos de coronavírus. Dentre os outros bairros que mais registraram casos da doença, estão o Atalaia (131 casos), Centro (100), Coroa do Meio (102), Grageru (128), Inácio Barbosa (120), Jardins (148, incluindo o loteamento Garcia), Ponto Novo (130) e 13 de Julho (120 casos). 
Na outra ponta, os bairros periféricos ou populares têm concentrado menos registros de coronavírus, embora tenham uma maior concentração de pessoas. Nesta classificação, os locais com mais casos de coronavírus são o São Conrado (132 casos), o Santos Dumont (119) e o Santa Maria (100), mas chama a atenção o número de pacientes infectados em alguns destes bairros. O menor deles é o Capucho, que abriga o Centro Administrativo e teve apenas um caso da doença. Em seguida vem o Marivan (com 9 casos), o Dom Luciano (antigo Pau ferro, com 10 casos), o 17 de Março (11 casos), a Soledade (27), o Salgado Filho (41) e o Cidade Nova (61 casos). 237 pacientes não informaram endereço e um caso é de outra cidade.
Esta distribuição dos pacientes com coronavírus, baseada nos endereços fornecidos pelos pacientes, chama a atenção da SMS, que se baseia em tais dados para traçar novas estratégias para conter o avanço da doença. A secretária Waneska Barbosa demonstrou preocupação maior com a grande concentração de moradores idosos em alguns desses bairros, como Atalaia, Jabotiana, 13 de Julho, Santos Dumont, São José, Centro e Cirurgia. Os idosos são os que apresentam um maior risco de morte por complicações causadas pela Covid-19. "Isso pode ser refletido nas nossas portas de urgências. A gente tem recebido muitos pacientes idosos, com idade acima de 60 anos, com várias comorbidades, e que tem entrado nas nossas urgências com a saúde mais agravada, precisando de atendimento em leitos de UTI", disse ela. 
As redes sociais da Prefeitura de Aracaju começaram a fazer postagens específicas com os números de cada bairro, alertando aos moradores para a necessidade de que eles cumpram o isolamento social. "Se você mora no bairro Farolândia fique atento(a)! 275 casos de covid-19 já foram confirmados na região. #FiqueEmCasa #UseMascara", diz uma das mensagens. O mesmo recado vem sendo transmitido por meio de mensagens veiculadas em carros de som que a PMA fez circular pelas ruas dos bairros mais afetados. Waneska, que também foi infectada com o coronavírus e está em isolamento, também reforçou o apelo em sua mensagem. "A gente pede à população que escute o que a gente vem falando e as autoridades sanitárias. Que pratiquem o distanciamento social caso precisem sair de casa, que usem máscaras, e que os idosos mantenham-se em suas casas", frisa a secretária. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS