Estudantes da rede pública de Sergipe podem se preparar por meio de plataforma gratuita

Cidades

 

Estudantes da rede pública de Sergipe podem se preparar por meio de plataforma gratuita
A política de isolamento social e suspensão das aulas presenciais estimularam a Secretaria de Educação do Estado de Sergipe a buscar parceria exclusiva com a iniciativa privada para promover o ensino mediado por tecnologia. O governo sergipano fez um acordo com a startup de educação, Explicaê, sediada em Aracaju. Dessa forma, cerca de 75 mil alunos do Ensino Médio da rede pública passam a ter acesso gratuito à plataforma digital, podendo seguir com a preparação para exames como o ENEM e vestibulares. 
Os estudantes contam com conteúdo aprofundado e atualizado, transmitido por meio de videoaulas, que se caracterizam pelo elevado nível de estímulo de aprendizado. São sessões divertidas, dinâmicas com duração de até 12 minutos cada uma, capazes de reter a atenção dos alunos. São mais de 3 mil apostilas 100% autorais em PDF - e não resumos -, com exercícios e questões orientadas a cada disciplina. Sempre ao final das simulações, o aluno tem acesso ao resultado de seu desempenho e o gabarito das questões. O sistema indica qual é o conteúdo a ser estudado posteriormente, de acordo com as respostas erradas. 
Essa é a segunda parceria feita pela startup durante a pandemia. No início de maio a empresa também passou a apoiar os estudos de um milhão e meio de alunos da rede pública do Estado de São Paulo. "Estamos muito honrados com esse trabalho junto ao governo de Sergipe para apoiarmos o desenvolvimento de milhares de jovens durante a pandemia do COVID-19. E por sermos uma startup originalmente sergipana, temos orgulho em ajudar a levar educação para o nosso Estado. E estamos prospectando também Secretarias de Educação de outras regiões do Brasil", anuncia o Cofundador e COO do Explicaê, Bruno Oliveira.
Os alunos podem acompanhar as aulas no desktop ou pelo aplicativo do Explicaê no smartphone. Eles, inclusive podem assistir as aulas offline, sem precisar de internet. Ou seja, se conecta a uma rede wi-fi, faz o download da videoaula e assiste depois. Oliveira acrescenta que as aulas são produzidas, sistematizadas e planejadas, a partir de uma rigorosa curadoria de conteúdo, seguindo os padrões do Ministério da Educação. A plataforma permite ao aluno acompanhamento de sua evolução e maior dedicação nas matérias e temas, em que ele apresente grandes dificuldades.  
Segundo Oliveira, o isolamento social acabou acelerando a transição cultural já prevista na área da educação. "O ensino mediado por tecnologia é uma tendência global, uma realidade em muitos países e acabou sendo incentivado pelas atuais circunstâncias.  O aprendizado no EAD representa uma experiência bastante rica, com enorme potencial cognitivo. "Estamos falando de videoaulas curtas, editadas e produzidas de acordo com a linguagem do estudante, em linha com as novas crenças, valores e hábitos, especialmente, dos mais jovens", finaliza. 

A política de isolamento social e suspensão das aulas presenciais estimularam a Secretaria de Educação do Estado de Sergipe a buscar parceria exclusiva com a iniciativa privada para promover o ensino mediado por tecnologia. O governo sergipano fez um acordo com a startup de educação, Explicaê, sediada em Aracaju. Dessa forma, cerca de 75 mil alunos do Ensino Médio da rede pública passam a ter acesso gratuito à plataforma digital, podendo seguir com a preparação para exames como o ENEM e vestibulares. 
Os estudantes contam com conteúdo aprofundado e atualizado, transmitido por meio de videoaulas, que se caracterizam pelo elevado nível de estímulo de aprendizado. São sessões divertidas, dinâmicas com duração de até 12 minutos cada uma, capazes de reter a atenção dos alunos. São mais de 3 mil apostilas 100% autorais em PDF - e não resumos -, com exercícios e questões orientadas a cada disciplina. Sempre ao final das simulações, o aluno tem acesso ao resultado de seu desempenho e o gabarito das questões. O sistema indica qual é o conteúdo a ser estudado posteriormente, de acordo com as respostas erradas. 
Essa é a segunda parceria feita pela startup durante a pandemia. No início de maio a empresa também passou a apoiar os estudos de um milhão e meio de alunos da rede pública do Estado de São Paulo. "Estamos muito honrados com esse trabalho junto ao governo de Sergipe para apoiarmos o desenvolvimento de milhares de jovens durante a pandemia do COVID-19. E por sermos uma startup originalmente sergipana, temos orgulho em ajudar a levar educação para o nosso Estado. E estamos prospectando também Secretarias de Educação de outras regiões do Brasil", anuncia o Cofundador e COO do Explicaê, Bruno Oliveira.
Os alunos podem acompanhar as aulas no desktop ou pelo aplicativo do Explicaê no smartphone. Eles, inclusive podem assistir as aulas offline, sem precisar de internet. Ou seja, se conecta a uma rede wi-fi, faz o download da videoaula e assiste depois. Oliveira acrescenta que as aulas são produzidas, sistematizadas e planejadas, a partir de uma rigorosa curadoria de conteúdo, seguindo os padrões do Ministério da Educação. A plataforma permite ao aluno acompanhamento de sua evolução e maior dedicação nas matérias e temas, em que ele apresente grandes dificuldades.  
Segundo Oliveira, o isolamento social acabou acelerando a transição cultural já prevista na área da educação. "O ensino mediado por tecnologia é uma tendência global, uma realidade em muitos países e acabou sendo incentivado pelas atuais circunstâncias.  O aprendizado no EAD representa uma experiência bastante rica, com enorme potencial cognitivo. "Estamos falando de videoaulas curtas, editadas e produzidas de acordo com a linguagem do estudante, em linha com as novas crenças, valores e hábitos, especialmente, dos mais jovens", finaliza. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS