No Bairro Ponto Novo, Prefeitura realiza mais um mutirão de combate ao Aedes aegypti

Geral


  • Agente de emdemias no bairro Ponto Novo

 

Por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a Prefeitura de Aracaju mantém a realização dos mutirões de ações de combate ao Aedes aegypti em toda a cidade, para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. Nesta sábado, o mutirão foi realizado no bairro Ponto Novo, tendo como ponto de partida da equipe a Unidade Básica de Saúde (UBS) Fernando Sampaio.
A ação contou com apoio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e da Secretaria do Meio Ambiente. A atuação da SMS é embasada em orientação, identificação e eliminação. De acordo com o gerente do Programa de Controle do Aedes aegypti da SMS, Jeferson Santana, o trabalho é contínuo e integrado ao Plano de Intensificação de Combate ao Aedes aegypti.
"A escolha do Ponto Novo foi de acordo com o último LIRAa [Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti], realizado entre os meses de janeiro e março. O bairro apresentou a classificação 2,3%, ou seja, de médio risco. Dessa forma, as ações desenvolvidas se tornaram ainda mais necessárias e o apoio da população é fundamental", afirma.
Ação dos agentes  - No mutirão, uma equipe de 50 profissionais, entre agentes de Endemias, de Limpeza e da Secretaria de Meio Ambiente, orienta a população sobre a importância de se proteger também das doenças causadas pelo mosquito. 
"Por medida de segurança, por conta da covid-19, estamos realizando a orientação sem entrar nas residências, apenas nas quais existem um acesso na área externa da casa até os quintais, sem adentrar nos imóveis. Essa estratégia de educação e saúde tem como principal ator a população, que é fundamental para o sucesso desse trabalho, evitando a proliferação do mosquito seguindo as orientações. Conversamos com os moradores para que eles façam a sua parte, pois a erradicação desse mosquito depende, principalmente, de cada cidadão", enfatiza o gerente.
Jeferson reforça que mesmo com as limitações no acesso aos imóveis, o empenho das equipes segue no trabalho educativo e na sequência do cronograma. Por isso é tão importante que a comunidade esteja consciente, alerta dos riscos que a dengue representa. 
"Estamos vivendo agora um momento de sazonalidade da doença, um período de chuva com abertura de sol, o que facilita o desenvolvimento do Aedes aegypti. E quanto mais mosquito circulando na cidade, infelizmente, a tendência é que o número de pessoas que venham a adoecer de dengue, chikungunya, ou até mesmo de zika vírus, aumente", ressalta.

Por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a Prefeitura de Aracaju mantém a realização dos mutirões de ações de combate ao Aedes aegypti em toda a cidade, para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. Nesta sábado, o mutirão foi realizado no bairro Ponto Novo, tendo como ponto de partida da equipe a Unidade Básica de Saúde (UBS) Fernando Sampaio.
A ação contou com apoio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e da Secretaria do Meio Ambiente. A atuação da SMS é embasada em orientação, identificação e eliminação. De acordo com o gerente do Programa de Controle do Aedes aegypti da SMS, Jeferson Santana, o trabalho é contínuo e integrado ao Plano de Intensificação de Combate ao Aedes aegypti.
"A escolha do Ponto Novo foi de acordo com o último LIRAa [Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes aegypti], realizado entre os meses de janeiro e março. O bairro apresentou a classificação 2,3%, ou seja, de médio risco. Dessa forma, as ações desenvolvidas se tornaram ainda mais necessárias e o apoio da população é fundamental", afirma.

Ação dos agentes  -
No mutirão, uma equipe de 50 profissionais, entre agentes de Endemias, de Limpeza e da Secretaria de Meio Ambiente, orienta a população sobre a importância de se proteger também das doenças causadas pelo mosquito. 
"Por medida de segurança, por conta da covid-19, estamos realizando a orientação sem entrar nas residências, apenas nas quais existem um acesso na área externa da casa até os quintais, sem adentrar nos imóveis. Essa estratégia de educação e saúde tem como principal ator a população, que é fundamental para o sucesso desse trabalho, evitando a proliferação do mosquito seguindo as orientações. Conversamos com os moradores para que eles façam a sua parte, pois a erradicação desse mosquito depende, principalmente, de cada cidadão", enfatiza o gerente.
Jeferson reforça que mesmo com as limitações no acesso aos imóveis, o empenho das equipes segue no trabalho educativo e na sequência do cronograma. Por isso é tão importante que a comunidade esteja consciente, alerta dos riscos que a dengue representa. 
"Estamos vivendo agora um momento de sazonalidade da doença, um período de chuva com abertura de sol, o que facilita o desenvolvimento do Aedes aegypti. E quanto mais mosquito circulando na cidade, infelizmente, a tendência é que o número de pessoas que venham a adoecer de dengue, chikungunya, ou até mesmo de zika vírus, aumente", ressalta.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS