PM fecha vaquejada e rinha de galo ilegais no interior

Geral


  • A rinha de galos foi fechada pela polícia

 

Dois eventos clandestinos, que estavam sendo realizados contra o decreto estadual que impede a concentração de pessoas em eventos públicos durante a pandemia do coronavírus, foram interrompidos em batidas feitas pela Polícia Militar no último final de semana. O caso de maior destaque ocorreu na madrugada desse sábado, quando soldados da Companhia Independente de Operações Policiais em Área de Caatinga (Ciopac) flagraram um evento de vaquejada no Povoado Linda França, em Porto da Folha (Alto Sertão).
O flagrante ocorreu no momento em que as equipes da Companhia de Caatinga efetuavam rondas no Povoado. Durante uma abordagem, os militares ouviram o som da locução da vaquejada. Dessa maneira, os policiais localizaram o evento, flagrando dezenas de pessoas aglomeradas.Em seguida, as equipes da Ciopac identificaram o organizador e o locutor da vaquejada. Com o locutor foram apreendidas 80 fichas de inscrição.
Diante dos fatos, o organizador do evento, o locutor e o proprietário do aparelho de somforam conduzidos à Delegacia Regional de Nossa Senhora da Glória, onde acabaram autuados por desobediência ao Decreto do Governo do Estado que estabelece medidas restritivas a fim de combater a pandemia do coronavírus em Sergipe.
Já o outro caso foi na última sexta-feira, quando uma equipe da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar fechou uma rinha de galo, que funcionava no Povoado Olhos D'água. Os militares, ao verificarem uma denúncia, flagraram dezenas de pessoas aglomeradas em volta de uma arena, enquanto as aves brigavam.
O organizador da rinha foi levado para a Delegacia de Boquim e assinou um Termo Circunstanciado. Ele irá responder por crime ambiental referente a maus-tratos contra animais, além de ser responsabilizado pelo descumprimento das regras previstas nos decretos estadual e municipal em vigor, que trata sobre ações de prevenção e combate à Covid-19. A ação contou com o apoio da Polícia Civil e de agentes da Vigilância Sanitária municipal.

Dois eventos clandestinos, que estavam sendo realizados contra o decreto estadual que impede a concentração de pessoas em eventos públicos durante a pandemia do coronavírus, foram interrompidos em batidas feitas pela Polícia Militar no último final de semana. O caso de maior destaque ocorreu na madrugada desse sábado, quando soldados da Companhia Independente de Operações Policiais em Área de Caatinga (Ciopac) flagraram um evento de vaquejada no Povoado Linda França, em Porto da Folha (Alto Sertão).
O flagrante ocorreu no momento em que as equipes da Companhia de Caatinga efetuavam rondas no Povoado. Durante uma abordagem, os militares ouviram o som da locução da vaquejada. Dessa maneira, os policiais localizaram o evento, flagrando dezenas de pessoas aglomeradas.Em seguida, as equipes da Ciopac identificaram o organizador e o locutor da vaquejada. Com o locutor foram apreendidas 80 fichas de inscrição.
Diante dos fatos, o organizador do evento, o locutor e o proprietário do aparelho de somforam conduzidos à Delegacia Regional de Nossa Senhora da Glória, onde acabaram autuados por desobediência ao Decreto do Governo do Estado que estabelece medidas restritivas a fim de combater a pandemia do coronavírus em Sergipe.
Já o outro caso foi na última sexta-feira, quando uma equipe da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar fechou uma rinha de galo, que funcionava no Povoado Olhos D'água. Os militares, ao verificarem uma denúncia, flagraram dezenas de pessoas aglomeradas em volta de uma arena, enquanto as aves brigavam.
O organizador da rinha foi levado para a Delegacia de Boquim e assinou um Termo Circunstanciado. Ele irá responder por crime ambiental referente a maus-tratos contra animais, além de ser responsabilizado pelo descumprimento das regras previstas nos decretos estadual e municipal em vigor, que trata sobre ações de prevenção e combate à Covid-19. A ação contou com o apoio da Polícia Civil e de agentes da Vigilância Sanitária municipal.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS