Sergipe registra mais 1.462 casos de coronavírus

Cidades


 

O boletim diário do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), com base  nos dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), foram registrados nesta segunda-feira 1.462 novos casos e 25 novos óbitos. Com isso, o Estado passa ter 31.640 pacientes infectados com a Covid-19 e 851 mortos com complicações da doença, desde o início da pandemia. A Secretaria Estadual da Saúde afirma que quase todas as mortes ocorridas não aconteceram ontem, mas eram de dias anteriores e estavam em investigação por exames que só ficaram prontos ontem.
A taxa de mortalidade causada pela Covid-19 no estado ficou em 37 mortes por 100 mil habitantes, enquanto que a de letalidade ficou em 2,7%. E a taxa de incidência, que mensura a infecção do vírus, subiu para em 1.376,4 casos por 100 mil habitantes.
Brasil - O Brasil chegou a 66.741 mil mortes e 1.668.589 milhão de casos em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Foram 1.254 novas mortes e 45.305 novas pessoas infectadas registradas nas últimas 24 horas, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada ontem (7).  Até o momento 976.977 pessoas já se recuperaram e há 624.871 pessoas em acompanhamento.
Anteontem, o balanço trazia 65.487 falecimentos e 1.623.284 de casos confirmados em função da pandemia.
A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 31,8. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 794.
De acordo com o Ministério da Saúde, O Brasil é o 2º do mundo em mortes e casos, atrás apenas dos Estados Unidos. Conforme o mapa global da universidade norte-americana Johns Hopkins, os Estados Unidos contam com 2.980.906 pessoas infectadas e registraram desde o início da pandemia 131.248 vidas perdidas.
Os números diários do balanço do Ministério da Saúde em geral são menores aos domingos e segundas-feiras pelas restrições nas equipes que fazem a alimentação nas secretarias municipais e estaduais, e maiores às terças-feiras, quando há um acréscimo dos registros alimentados em razão do acúmulo do que não foi encaminhado no fim-de-semana.

O boletim diário do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), com base  nos dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), foram registrados nesta segunda-feira 1.462 novos casos e 25 novos óbitos. Com isso, o Estado passa ter 31.640 pacientes infectados com a Covid-19 e 851 mortos com complicações da doença, desde o início da pandemia. A Secretaria Estadual da Saúde afirma que quase todas as mortes ocorridas não aconteceram ontem, mas eram de dias anteriores e estavam em investigação por exames que só ficaram prontos ontem.
A taxa de mortalidade causada pela Covid-19 no estado ficou em 37 mortes por 100 mil habitantes, enquanto que a de letalidade ficou em 2,7%. E a taxa de incidência, que mensura a infecção do vírus, subiu para em 1.376,4 casos por 100 mil habitantes.

Brasil - O Brasil chegou a 66.741 mil mortes e 1.668.589 milhão de casos em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Foram 1.254 novas mortes e 45.305 novas pessoas infectadas registradas nas últimas 24 horas, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada ontem (7).  Até o momento 976.977 pessoas já se recuperaram e há 624.871 pessoas em acompanhamento.
Anteontem, o balanço trazia 65.487 falecimentos e 1.623.284 de casos confirmados em função da pandemia.
A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 4%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 31,8. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 794.
De acordo com o Ministério da Saúde, O Brasil é o 2º do mundo em mortes e casos, atrás apenas dos Estados Unidos. Conforme o mapa global da universidade norte-americana Johns Hopkins, os Estados Unidos contam com 2.980.906 pessoas infectadas e registraram desde o início da pandemia 131.248 vidas perdidas.
Os números diários do balanço do Ministério da Saúde em geral são menores aos domingos e segundas-feiras pelas restrições nas equipes que fazem a alimentação nas secretarias municipais e estaduais, e maiores às terças-feiras, quando há um acréscimo dos registros alimentados em razão do acúmulo do que não foi encaminhado no fim-de-semana.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS