Prefeitura analisa pendências de moradores da Mangabeiras cadastrados no Pró-Moradia

Geral


  • Técnicos da Ação Social tentam resolver pendências de moradores

 

Nesta quarta-feira, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Assistência Social, deu continuidade a mais uma fase do processo para construção de um residencial  na Ocupação Mangabeiras, no bairro 17 de Março, a partir do Pró-Moradia, do governo federal, onde serão construídas 1.102 habitações, uma demanda antiga da comunidade local.
Nesta fase, que se estende até esta quinta-feira, o público alvo são os moradores que estão cadastrados, mas possuem pendências contratuais ou do Cadastro Único para adesão ao programa e também as famílias não cadastradas, que passarão por processo de análise de perfil e cadastramento para um banco de dados reservado para programas de habitação futuros.
Para isso, foram montados dois pontos de atendimento, denominados Plantão Social, um no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), e outro no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) Maria Diná, ambos no mesmo bairro. Em abril de 2019, a Prefeitura de Aracaju havia realizado o cadastramento das 836 famílias que residem na Ocupação, além de outras 266 beneficiárias do auxílio-moradia. O cadastro teve como objetivo reconhecer o território e identificar as famílias encontradas na área.
Após essa etapa atual, haverá a organização dos endereços para a transferência dos moradores para as casas alugadas com recursos do Aluguel Social, que acontece de 13 a 17 de julho. Na fase seguinte, haverá a remoção dos barracos e transferência dos moradores, também por áreas, de 20 a 24 de julho. Os barracos estão divididos em quatro áreas: A, B, C, D.
A Prefeitura já entregou as notificações para essas famílias saírem dos seus barracos. Quem estava cadastrado deve procurar uma casa para receber o Aluguel Social. Quem chegou depois do prazo e não realizou o cadastro a tempo, será inserido não mais nesse projeto, mas em futuros programas de habitação a serem desenvolvidos pelo Município.
Até o momento, Secretaria Municipal de Assistência Social conseguiu regularizar o Aluguel Social de 790 famílias, quase 95% do total, resultado de uma ação organizada que visou tanto o bem-estar dos beneficiários quanto o compromisso social.
"Estamos analisando as pendências. O que são essas pendências? Pessoas que tiveram problemas de documentação e aquelas famílias que nós encontramos na ocupação e que não estavam no momento do cadastro. Então, hoje e amanhã são os dias de recebermos essas famílias aqui nesses espaços, ouvir e conhecer, fazendo um balanço de quem são para, a partir daí, termos uma estratégia de ação para como proceder", explica a secretária da Assistência Social de Aracaju, Simone Passos, ao salientar que essas são prerrogativas essenciais para adesão ao programa.
 De acordo com a secretária, a assinatura dos contratos e do termos de adesão ao programa social iniciou no 30 de junho e foi encerrado nesta terça-feira (7) de julho.

Nesta quarta-feira, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Assistência Social, deu continuidade a mais uma fase do processo para construção de um residencial  na Ocupação Mangabeiras, no bairro 17 de Março, a partir do Pró-Moradia, do governo federal, onde serão construídas 1.102 habitações, uma demanda antiga da comunidade local.
Nesta fase, que se estende até esta quinta-feira, o público alvo são os moradores que estão cadastrados, mas possuem pendências contratuais ou do Cadastro Único para adesão ao programa e também as famílias não cadastradas, que passarão por processo de análise de perfil e cadastramento para um banco de dados reservado para programas de habitação futuros.
Para isso, foram montados dois pontos de atendimento, denominados Plantão Social, um no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), e outro no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) Maria Diná, ambos no mesmo bairro. Em abril de 2019, a Prefeitura de Aracaju havia realizado o cadastramento das 836 famílias que residem na Ocupação, além de outras 266 beneficiárias do auxílio-moradia. O cadastro teve como objetivo reconhecer o território e identificar as famílias encontradas na área.
Após essa etapa atual, haverá a organização dos endereços para a transferência dos moradores para as casas alugadas com recursos do Aluguel Social, que acontece de 13 a 17 de julho. Na fase seguinte, haverá a remoção dos barracos e transferência dos moradores, também por áreas, de 20 a 24 de julho. Os barracos estão divididos em quatro áreas: A, B, C, D.
A Prefeitura já entregou as notificações para essas famílias saírem dos seus barracos. Quem estava cadastrado deve procurar uma casa para receber o Aluguel Social. Quem chegou depois do prazo e não realizou o cadastro a tempo, será inserido não mais nesse projeto, mas em futuros programas de habitação a serem desenvolvidos pelo Município.
Até o momento, Secretaria Municipal de Assistência Social conseguiu regularizar o Aluguel Social de 790 famílias, quase 95% do total, resultado de uma ação organizada que visou tanto o bem-estar dos beneficiários quanto o compromisso social.
"Estamos analisando as pendências. O que são essas pendências? Pessoas que tiveram problemas de documentação e aquelas famílias que nós encontramos na ocupação e que não estavam no momento do cadastro. Então, hoje e amanhã são os dias de recebermos essas famílias aqui nesses espaços, ouvir e conhecer, fazendo um balanço de quem são para, a partir daí, termos uma estratégia de ação para como proceder", explica a secretária da Assistência Social de Aracaju, Simone Passos, ao salientar que essas são prerrogativas essenciais para adesão ao programa.
 De acordo com a secretária, a assinatura dos contratos e do termos de adesão ao programa social iniciou no 30 de junho e foi encerrado nesta terça-feira (7) de julho.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS