Polícia faz operação contra invasores da antiga Plantonista

Geral


  • Operação policial na casa onde já funcionou a Delegacia Plantonista

 

Uma operação conjunta liderada pela Coordenadoria de Polícia Civil da Capital (Copcal) e pelo Comando de Policiamento Militar da Capital (CPMC) deflagraram uma operação para o cumprimento de mandado de busca e apreensão no antigo prédio da Delegacia Plantonista, situado na rua Laranjeiras, no centro de Aracaju. O local foi invadido há cerca de um ano e meio, abrigando, atualmente, cerca de 35 a 40 pessoas, e passou a ficar conhecido como 'Invasão da Babilônia'.
De acordo com a coordenadora operacional da Copcal, a delegada Nalile Castro, a ação policial foi desencadeada devido ao aumento significativo do número de furtos qualificados (arrombamentos) no centro de Aracaju. Na ação policial, um suspeito foi preso. Ele se autointitula como sendo o líder do grupo. "Ele é conhecido como Bin Laden e diz que não vai parar. A cada momento que era ouvido ou preso em flagrante e depois solto, ele dizia que ia voltar a delinquir, que ia voltar a furtar", destacou.
As investigações mostraram que parte dos ocupantes do local tem envolvimento em furtos e utilizam o prédio como depósito de produtos ilícitos. Na operação, foram recuperados diversos materiais, como móveis, produtos de clínicas médicas e 30 carcaças de impressoras, que foram furtadas e tiveram partes revendidas.
A delegada acrescentou que, em 14 de março deste ano, o comerciante Adjean Santos Emídio, 31 anos, proprietário de uma loja de eletrônicos da região, foi morto a facadas depois de se envolver em uma briga com um grupo desses invasores. E após o crime, esse mesmo grupo interrompeu uma festa de aniversário que acontecia em frente ao prédio, jogando pedras em direção à casa e roubando os celulares e objetos de valor dos convidados. 
O prédio tornou-se de difícil acesso devido às barreiras montadas pelos ocupantes, o que exigiu uma articulação das Polícias Civil e Militar para garantir um acesso seguro e uma ação controlada."O foco é recuperar objetos que foram furtados ao longo de meses nessa região. Temos algumas investigações em andamento, e identificamos, já há algum tempo, o líder, que inclusive foi preso preventivamente. Recuperamos também alguns objetos visivelmente furtados de algumas casas, como livros, móvel antigo. Esses materiais estão sendo relacionados, as pessoas vinculadas a esses objetos estão sendo ouvidas para terminamos de instruir o procedimento policial", explicou Nalile Castro.
A antiga sede da Delegacia Plantonista já abrigou também um complexo de delegacias, mas era alugada e o imóvel foi devolvido há mais de um ano e meio a seu proprietário, diante de um acordo feito perante o Poder Judiciário. Desde então, o prédio foi abandonado e não houve outra ocupação ao imóvel, que acabou ocupado por grupos de sem-teto e usuários de drogas. 

Uma operação conjunta liderada pela Coordenadoria de Polícia Civil da Capital (Copcal) e pelo Comando de Policiamento Militar da Capital (CPMC) deflagraram uma operação para o cumprimento de mandado de busca e apreensão no antigo prédio da Delegacia Plantonista, situado na rua Laranjeiras, no centro de Aracaju. O local foi invadido há cerca de um ano e meio, abrigando, atualmente, cerca de 35 a 40 pessoas, e passou a ficar conhecido como 'Invasão da Babilônia'.
De acordo com a coordenadora operacional da Copcal, a delegada Nalile Castro, a ação policial foi desencadeada devido ao aumento significativo do número de furtos qualificados (arrombamentos) no centro de Aracaju. Na ação policial, um suspeito foi preso. Ele se autointitula como sendo o líder do grupo. "Ele é conhecido como Bin Laden e diz que não vai parar. A cada momento que era ouvido ou preso em flagrante e depois solto, ele dizia que ia voltar a delinquir, que ia voltar a furtar", destacou.
As investigações mostraram que parte dos ocupantes do local tem envolvimento em furtos e utilizam o prédio como depósito de produtos ilícitos. Na operação, foram recuperados diversos materiais, como móveis, produtos de clínicas médicas e 30 carcaças de impressoras, que foram furtadas e tiveram partes revendidas.
A delegada acrescentou que, em 14 de março deste ano, o comerciante Adjean Santos Emídio, 31 anos, proprietário de uma loja de eletrônicos da região, foi morto a facadas depois de se envolver em uma briga com um grupo desses invasores. E após o crime, esse mesmo grupo interrompeu uma festa de aniversário que acontecia em frente ao prédio, jogando pedras em direção à casa e roubando os celulares e objetos de valor dos convidados. 
O prédio tornou-se de difícil acesso devido às barreiras montadas pelos ocupantes, o que exigiu uma articulação das Polícias Civil e Militar para garantir um acesso seguro e uma ação controlada."O foco é recuperar objetos que foram furtados ao longo de meses nessa região. Temos algumas investigações em andamento, e identificamos, já há algum tempo, o líder, que inclusive foi preso preventivamente. Recuperamos também alguns objetos visivelmente furtados de algumas casas, como livros, móvel antigo. Esses materiais estão sendo relacionados, as pessoas vinculadas a esses objetos estão sendo ouvidas para terminamos de instruir o procedimento policial", explicou Nalile Castro.
A antiga sede da Delegacia Plantonista já abrigou também um complexo de delegacias, mas era alugada e o imóvel foi devolvido há mais de um ano e meio a seu proprietário, diante de um acordo feito perante o Poder Judiciário. Desde então, o prédio foi abandonado e não houve outra ocupação ao imóvel, que acabou ocupado por grupos de sem-teto e usuários de drogas. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS