O dia a dia dos semáforos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/03/2013 às 15:09:00

O vereador Gonzaga (PMDB) apresentou um requerimento na Câmara Municipal de Aracaju propondo a realização de uma audiência pública para discutir alternativas para desafogar o trânsito da cidade. Até ai, tudo bem. Ocorre que o parlamentar também manifestou a intenção de realizar estudos preliminares para estudar a viabilidade da implantação do sistema de rodízio de carros na capital sergipana.

O próprio vereador elencou medidas mais sensatas, que podem ser adotadas imediatamente com o intuito de reverter os problemas de mobilidade observados nas nossas ruas. A ampliação de vias exclusivas de ônibus, aumento das ciclovias, instalação de bicicletários e de infraestrutura adequada para os usuários de bicicletas poderem se trocar ou se refrescar antes de iniciar suas atividades no trabalho ou nas escolas e universidades seriam muito bem vindas e poderiam interferir de maneira muito positiva no cotidiano da maior parte da população.

O rodízio de carros é uma medida extrema, apropriada para verdadeiras metrópoles, a exemplo da capital paulista, a maior cidade da América Latina. Mesmo em São Paulo, a medida produz, contudo, efeitos perversos, a exemplo da ampliação da frota de carros, provocada pela aquisição de mais de um veículo por cidadão. Isso, pra não mencionar o incentivo ao uso de motocicletas, uma situação que extrapolaria a esfera da mobilidade urbana para aumentar o já sobrecarregado serviço de saúde oferecido ao sergipano.

Mas é preciso também chamar atenção para a ausência de um serviço de transporte público que ofereça o mínimo conforto ao usuário. A restrição ao uso do automóvel nunca irá agradar, mas a oferta de alternativa razoável, confortável e segura poderia convencer o mais irredutível dos motoristas do impacto positivo observado no dia a dia dos semáforos. Enquanto a licitação do transporte público de passageiros não sair do papel, qualquer sinalização no sentido de promover as reformas pelas quais o nosso trânsito grita não passa de conversa fiada.
Neste momento, falar em rodízio de automóveis em Aracaju é querer aparecer.