Georlize diz que vai acabar com privilégios na PMA

Geral


  • A CANDIDATA DO DEM, GEORLIZE TELES

  • A delegada Georlize TELES, candidata do DEM à PMA

 

JORNAL DO DIA - O DEM tem prometido, caso volte a administrar a cidade, uma Aracaju mais humana e desenvolvida. Em 2016, João Alves tentou a reeleição e foi derrotado devido aos quatro anos de gestão (2013/2016). O que mudou entre aquela derrota e a nova promessa de avanços?
GEORLIZE TELES - Tenho dialogado com o povo e firmado compromissos. Não há mudança de discurso, nunca fui prefeita. Na gestão citada, a pasta que titularizei prestou um serviço de qualidade para a população, sendo reconhecida como uma das melhores atuações. Tenho identidade e as pessoas sabem disso. Com a força necessária para mudar, Aracaju será devolvida a seu povo. A pauta de necessidades dos eleitores é imensa, pois somou-se aos problemas tradicionais, todos os novos dilemas causados pela pandemia.
Estamos vivenciando um momento de muitas incertezas, medos e expectativas. Além das demandas já conhecidas (saúde, combate à covid-19, educação, geração de emprego e renda, combate à corrupção, segurança, mobilidade urbana, transporte público, sustentabilidade...), há de se considerar também, como será a gestão das sequelas pós pandemia. Diante desse contexto, nossa gestão será balizada em diretrizes focadas nas necessidades básicas e urgentes de nossa população, viabilizando um modelo de desenvolvimento pautado na retomada do crescimento, desenvolvimento econômico e criação de emprego e renda.
JD - Entre os seus projetos está a revitalização da Orla de Atalaia que passou a ser administrada pela PMA. Como cumprir essa promessa junto com a iniciativa privada (setor de hotelaria) em pleno momento de dificuldades econômicas provocadas pela Covid-19.
GT - Aracaju é a cidade com maior população do estado, evidencia-se uma necessidade urgente de crescimento econômico, fomentando a geração de emprego e renda, através do setor de serviços alavancados pelo turismo. Daremos atenção especial ao setor de hotelaria, atualmente neglicenciado pela PMA.
JD - Defensora da Guarda Municipal e da SMTT, caso eleita pretende realizar concursos e qualificar o sistema?
GT - Qualificar e capacitar continuadamente para a prestação de um serviço eficaz e eficiente é o dever da PMA. O concurso é necessário e urgente. O quadro está defasado. A Guarda Municipal e a SMTT voltarão a ocupar o lugar de protagonista na segurança municipal, recebendo o incremento de novos integrantes e EPI's. Saliente-se, que o efetivo existente não atende ao quadro estabelecido no plano de carreira para fazer frente às demandas por segurança.
JD - Em 2015, em áudio vazado, o então vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB), revelou que os secretários de João Alves "não queriam trabalhar", e "só pensavam em roubar". A senhora, inclusive fazia parte daquele secretariado. Após eleita, qual será o critério para formação do secretariado?
GT - Sim, fazia parte do secretariado. E por ter a certeza que sou honrada, pela história que eu tenho em Aracaju, pelos serviços prestados e pela disposição que sempre tive de fazer o melhor é que o próprio Dr. Machado indica o meu nome para a prefeitura.
JD - Em 2014 a gestão DEM em Aracaju injetou 64 milhões de reais com o pagamento salarial e gratificações para trabalhadores com Cargo em Comissão (CC). A senhora pretende reduzir o número atual e priorizar, gradativamente, a realização de concursos?
GT - Com certeza acabarei com privilégios e enfrentarei a questão dos CCs. Os cargos da Prefeitura não podem servir apenas para acomodação política.
JD - Estamos completando 30 dias de campanha eleitoral. Qual, ou quais, pedidos ouvidos nas ruas devem entrar no seu programa de governo?
GT - Respeito ao dinheiro público, diminuição das desigualdades sociais, especialmente na periferia de nossa capital, saúde, educação, saneamento básico e, principalmente, a retomada da economia com geração de emprego e renda.
JD - Aos aracajuanos, o que garantir para a cidade, em especial, nos dois anos pós pandemia?
GT - As pessoas devem ser colocadas como prioridade. Assim, construímos um plano de governo factível, responsável e adequado à demanda dos aracajuanos, não arredando do compromisso com a promoção da vida com dignidade, ética e diálogo, de maneira a possibilitar uma gestão democrática, participativa e eficiente. Buscaremos a recuperação da confiabilidade na gestão pública, restabelecendo as condições de funcionamento da cidade pautadas em um desenvolvimento econômico sustentável e justo, comprometido com diretrizes estabelecidas em padrões éticos e transparentes. Teremos grandes desafios a enfrentar, porém, junto com a sociedade, faremos uma administração vitoriosa, transformando a cidade de ARACAJU em uma "Cidade de Oportunidade" e possibilitando adequadas condições de vida para todos. Sairemos do quadro atual, no qual a cidade pertence a poucos.Image

Avaliada pelos próprios adversários políticos como uma pessoa íntegra, de fácil acesso e de ampla experiência administrativa, Georlize Teles, líder e indicação do partido Democratas (DEM), diz estar pronta para assumir a Prefeitura de Aracaju e melhorar a vida dos mais de 650 mil habitantes. Se esquivando de conflitos antidemocráticos - protagonizados por opositores no âmbito jurídico -, a democrata garante que ouvir os eleitores e buscar qualificações unificadas para a sociedade é a sua prioridade absoluta. Ao JORNAL DO DIA a candidata avalia os primeiros 30 dias de campanha eleitoral, reconhece virtudes e erros da administração João Alves Filho (2013/2016), e promete acabar com privilégios destinados à trabalhadores em Cargo em Comissão.

JORNAL DO DIA - O DEM tem prometido, caso volte a administrar a cidade, uma Aracaju mais humana e desenvolvida. Em 2016, João Alves tentou a reeleição e foi derrotado devido aos quatro anos de gestão (2013/2016). O que mudou entre aquela derrota e a nova promessa de avanços?

GEORLIZE TELES - Tenho dialogado com o povo e firmado compromissos. Não há mudança de discurso, nunca fui prefeita. Na gestão citada, a pasta que titularizei prestou um serviço de qualidade para a população, sendo reconhecida como uma das melhores atuações. Tenho identidade e as pessoas sabem disso. Com a força necessária para mudar, Aracaju será devolvida a seu povo. A pauta de necessidades dos eleitores é imensa, pois somou-se aos problemas tradicionais, todos os novos dilemas causados pela pandemia.
Estamos vivenciando um momento de muitas incertezas, medos e expectativas. Além das demandas já conhecidas (saúde, combate à covid-19, educação, geração de emprego e renda, combate à corrupção, segurança, mobilidade urbana, transporte público, sustentabilidade...), há de se considerar também, como será a gestão das sequelas pós pandemia. Diante desse contexto, nossa gestão será balizada em diretrizes focadas nas necessidades básicas e urgentes de nossa população, viabilizando um modelo de desenvolvimento pautado na retomada do crescimento, desenvolvimento econômico e criação de emprego e renda.

JD - Entre os seus projetos está a revitalização da Orla de Atalaia que passou a ser administrada pela PMA. Como cumprir essa promessa junto com a iniciativa privada (setor de hotelaria) em pleno momento de dificuldades econômicas provocadas pela Covid-19.

GT - Aracaju é a cidade com maior população do estado, evidencia-se uma necessidade urgente de crescimento econômico, fomentando a geração de emprego e renda, através do setor de serviços alavancados pelo turismo. Daremos atenção especial ao setor de hotelaria, atualmente neglicenciado pela PMA.

JD - Defensora da Guarda Municipal e da SMTT, caso eleita pretende realizar concursos e qualificar o sistema?

GT - Qualificar e capacitar continuadamente para a prestação de um serviço eficaz e eficiente é o dever da PMA. O concurso é necessário e urgente. O quadro está defasado. A Guarda Municipal e a SMTT voltarão a ocupar o lugar de protagonista na segurança municipal, recebendo o incremento de novos integrantes e EPI's. Saliente-se, que o efetivo existente não atende ao quadro estabelecido no plano de carreira para fazer frente às demandas por segurança.

JD - Em 2015, em áudio vazado, o então vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB), revelou que os secretários de João Alves "não queriam trabalhar", e "só pensavam em roubar". A senhora, inclusive fazia parte daquele secretariado. Após eleita, qual será o critério para formação do secretariado?

GT - Sim, fazia parte do secretariado. E por ter a certeza que sou honrada, pela história que eu tenho em Aracaju, pelos serviços prestados e pela disposição que sempre tive de fazer o melhor é que o próprio Dr. Machado indica o meu nome para a prefeitura.

JD - Em 2014 a gestão DEM em Aracaju injetou 64 milhões de reais com o pagamento salarial e gratificações para trabalhadores com Cargo em Comissão (CC). A senhora pretende reduzir o número atual e priorizar, gradativamente, a realização de concursos?

GT -
Com certeza acabarei com privilégios e enfrentarei a questão dos CCs. Os cargos da Prefeitura não podem servir apenas para acomodação política.

JD - Estamos completando 30 dias de campanha eleitoral. Qual, ou quais, pedidos ouvidos nas ruas devem entrar no seu programa de governo?

GT -
Respeito ao dinheiro público, diminuição das desigualdades sociais, especialmente na periferia de nossa capital, saúde, educação, saneamento básico e, principalmente, a retomada da economia com geração de emprego e renda.

JD - Aos aracajuanos, o que garantir para a cidade, em especial, nos dois anos pós pandemia?

GT - As pessoas devem ser colocadas como prioridade. Assim, construímos um plano de governo factível, responsável e adequado à demanda dos aracajuanos, não arredando do compromisso com a promoção da vida com dignidade, ética e diálogo, de maneira a possibilitar uma gestão democrática, participativa e eficiente. Buscaremos a recuperação da confiabilidade na gestão pública, restabelecendo as condições de funcionamento da cidade pautadas em um desenvolvimento econômico sustentável e justo, comprometido com diretrizes estabelecidas em padrões éticos e transparentes. Teremos grandes desafios a enfrentar, porém, junto com a sociedade, faremos uma administração vitoriosa, transformando a cidade de ARACAJU em uma "Cidade de Oportunidade" e possibilitando adequadas condições de vida para todos. Sairemos do quadro atual, no qual a cidade pertence a poucos.Image

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS