Piñera e Mujica alertam para os desafios do desenvolvimento sustentável

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/06/2012 às 11:31:00

Vladimir Platonow
Agência Brasil

Rio de Janeiro - Os presidentes do Chile, Sebastián Piñera, e do Uruguai, José Pepe Mujica, alertaram em seus discursos, durante a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que medidas imediatas precisam ser adotadas para garantir a sustentabilidade nos países sul-americanos.
Piñera chamou a atenção para os sinais que já aparecem na natureza, em forma de aviso, para que a humanidade tome providencias. "A natureza há muito tempo está dando sinais angustiantes de prevenção, para nos motivar a mudanças de rumos. Não podemos continuar a fazermos as coisas como fizemos nos últimos tempos. Temos que pegar o touro a unha e mudar os rumos do desenvolvimento em nosso continente. Se isso não acontecer, é provável que muitas espécies vão deixar de existir. Não podemos continuar perdendo biodiversidade, ecossistemas, contaminando água, ar e terra da forma como fizemos nos últimos anos", alertou Piñera.
Para o presidente chileno, o tempo está se esgotando. "O tempo não é nosso aliado. Ele é o nosso juiz e exige com urgência que desta cúpula do Rio saiam frutos fecundos. Muitos dos problemas que temos de enfrentar não podem ser enfrentados por um país por maior que seja, como a poluição do ar, o aquecimento global, o crime, o narcotráfico. Só poderemos enfrentar esses problemas com eficácia se fizermos isso unidos e com coordenação", disse.
Para o presidente do Uruguai, Pepe Mujica, a solução do problema ambiental passa pela reavaliação do sistema econômico em que vivemos. "Toda esta tarde falou-se de desenvolvimento sustentável e de tirar grandes massas da pobreza. O que vai por nossas cabeças? O modelo de desenvolvimento de consumo das sociedades ricas. O que aconteceria a este planeta se os hindus tivessem a mesma proporção de carros que os alemães? O mundo tem hoje os elementos materiais para possibilitar que 7 ou 8 bilhões de habitantes tenham o mesmo potencial de consumo e de desperdício que as sociedades ocidentais ostentam?"
O presidente uruguaio concluiu dizendo que é preciso mudar a lógica do desenvolvimento, que hoje é governado pelo mercado. "Estamos governando a globalização ou será que é a globalização que nos governa? O problema é o mercado, o hiperconsumo. Não se trata de propor voltar ao homem das cavernas e ter um monumento ao atraso. Não podemos ser governados pelo mercado. Temos é que governar o mercado", ressaltou Mujica.