Banco do Nordeste captarecursos para linha de crédito dedicada a mulheres

Cidades

 

Banco do Nordeste capta
recursos para linha de crédito dedicada a mulheres
O Banco do Nordeste assinou contrato com o Banco Europeu de Investimentos (BEI) para captação de recursos, no valor de 200 milhões de euros, destinados à  linha de financiamento exclusiva para mulheres empreendedoras. A nova linha de crédito posiciona o Banco do Nordeste como o primeiro banco de desenvolvimento a trabalhar produto de crédito específico para o público feminino, contribuindo com a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres na economia.
O foco da ação visa ao enfrentamento das consequências econômicas da crise sanitária e ao combate à extrema pobreza, além de contribuir para a temática de gênero, considerando que as mulheres têm participação significativa nas operações de microcrédito. Os recursos serão aplicados por meio do Crediamigo do Banco do Nordeste, hoje o maior programa de microfinança urbana da América do Sul. Na carteira ativa do programa, contabilizam-se 66% de mulheres.
Para o presidente do BNB, Romildo Rolim, "a ação do Banco do Nordeste, em parceria com o BEI, cria um mecanismo com potencial de largo alcance para as microempreendedoras da área de atuação do BNB". Segundo Rolim, "a nova linha de financiamento constitui uma política a mais dentro do esforço de manter a renda da população, incentivando o empreendedorismo no segmento, e traduz a credibilidade do BNB em âmbito internacional".
A linha de financiamento prevê empréstimos de até EUR 1.000, aproximadamente R$ 6.550 considerando a cotação de 07/01, e terá prazo máximo de 3 anos, sem garantia da União, sendo o pagamento do principal no final - com juros, podendo ser mensal, semestral ou anual, a critério do Banco do Nordeste.
O BEI, com sede em Luxemburgo, é braço financeiro da União Europeia e concede empréstimos aos setores público e privado, apoiando empresas e empreendedores por meio de bancos locais ou regionais, a exemplo do Banco do Nordeste. Também financia diretamente empresas de maior porte, desde que os projetos observem elevados padrões técnicos, ambientais e sociais.

O Banco do Nordeste assinou contrato com o Banco Europeu de Investimentos (BEI) para captação de recursos, no valor de 200 milhões de euros, destinados à  linha de financiamento exclusiva para mulheres empreendedoras. A nova linha de crédito posiciona o Banco do Nordeste como o primeiro banco de desenvolvimento a trabalhar produto de crédito específico para o público feminino, contribuindo com a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres na economia.
O foco da ação visa ao enfrentamento das consequências econômicas da crise sanitária e ao combate à extrema pobreza, além de contribuir para a temática de gênero, considerando que as mulheres têm participação significativa nas operações de microcrédito. Os recursos serão aplicados por meio do Crediamigo do Banco do Nordeste, hoje o maior programa de microfinança urbana da América do Sul. Na carteira ativa do programa, contabilizam-se 66% de mulheres.
Para o presidente do BNB, Romildo Rolim, "a ação do Banco do Nordeste, em parceria com o BEI, cria um mecanismo com potencial de largo alcance para as microempreendedoras da área de atuação do BNB". Segundo Rolim, "a nova linha de financiamento constitui uma política a mais dentro do esforço de manter a renda da população, incentivando o empreendedorismo no segmento, e traduz a credibilidade do BNB em âmbito internacional".
A linha de financiamento prevê empréstimos de até EUR 1.000, aproximadamente R$ 6.550 considerando a cotação de 07/01, e terá prazo máximo de 3 anos, sem garantia da União, sendo o pagamento do principal no final - com juros, podendo ser mensal, semestral ou anual, a critério do Banco do Nordeste.
O BEI, com sede em Luxemburgo, é braço financeiro da União Europeia e concede empréstimos aos setores público e privado, apoiando empresas e empreendedores por meio de bancos locais ou regionais, a exemplo do Banco do Nordeste. Também financia diretamente empresas de maior porte, desde que os projetos observem elevados padrões técnicos, ambientais e sociais.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS