Deputada destaca a Semana Nacional em Defesa da Educação Pública

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Manifestação dos professores estaduais no calçadão da João Pessoa ontem de manhã
Manifestação dos professores estaduais no calçadão da João Pessoa ontem de manhã

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/04/2013 às 02:55:00

A deputada estadual Ana Lúcia (PT) abordou ontem a grande mobilização que está ocorrendo durante toda esta semana como forma de cobrar a valorização da educação e dos profissionais que nela atuam. Trata-se da Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública, que entre outras atividades, inclui três dias de greve dos professores e trabalhadores da educação desde ontem.

Ainda como parte da semana de atividades, a presidenta do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Básica da Rede Oficial de Sergipe (Sintese), Ângela Melo ocupará a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe nesta quinta-feira, 25, para apresentar os desafios do cenário atual da educação em Sergipe. Ontem, o diretor de comunicação do sindicato esteve na Câmara de Vereadores com o mesmo intuito.  

Em vários estados, os professores realizarão atos e marchas e Sergipe não está fora da programação. Na tarde de quinta-feira, os educadores realizarão a grande Marcha da Indignação nas ruas de Aracaju, com concentração na Praça da Bandeira às 14h.

A parlamentar destacou que as pautas da Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública não dizem respeito apenas aos professores, mas a todos os profissionais da educação. Ela lembrou que a categoria já obteve grandes avanços desde a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases, que regulamenta a entrada de profissionais habilitados para atuar na escola em funções como secretariado e merendeira. "Aqui em Sergipe já existem mais de cem profissionais que fizeram cursos de formação nas habilitações exigidas pela LDB. Porém, eles não foram valorizados e, por este motivo a luta é também deles", afirmou Ana Lúcia.

As pautas da semana de mobilizações incluem ainda o uso de 100% dos royalties para educação pública, o cumprimento da jornada dos professores, o pagamento do piso salarial do magistério de forma integral no vencimento e o cumprimento da Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho, que exige a realização de convenção coletiva. "Os gestores públicos precisam instalar as mesas de negociação, já regulamentadas pelo Congresso Nacional", cobrou a deputada.

Ana Lúcia destacou a importância da pauta da valorização salarial da classe ao apontar dados da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), segundo os quais o professor recebe 38% a menos que profissionais com mesmo nível de formação. A parlamentar ressalta ainda que apenas cinco estados cumprem integralmente o pagamento do piso com a carga horária na carreira e que dez estados, incluindo Sergipe, insistem em descumprir a lei 11.738/2008, que regulamenta o pagamento do piso salarial da categoria integralmente e no vencimento.
"A lei do piso foi conquistada com muitas lágrimas, muita teimosia e sobretudo com muita coragem. É triste uma educadora estar ocupando a tribuna para informar um dado tão desolador como este", lamentou a parlamentar. "Mas nós tivemos muitos avanços, muitas vitórias. Nossa luta quando os gestores não nos respeitam, a justiça tem dado ganho de causa" avaliou.