Médico para hoje contra a MP 568

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/06/2012 às 21:54:00

Contrários à Medida Provisória 568, que mexe na jornada de trabalho de profissionais de saúde, médicos federais que atendem ao Sistema Único de Saúde (SUS) entram hoje em greve por 24 horas em todos os estados do Brasil. A depender de uma reunião com membros da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), que será realizada hoje em Brasília, essa paralisação pode ser deflagrada por tempo indeterminado.
A diretoria da Fenam divulgou mensagem em que mostra que profissionais ao ingressar na carreira são designados a cumprir uma jornada de 20 horas semanais no serviço público, mas, na realidade, têm que cumprir 40 horas semanais, recebendo o mesmo salário.
Em Sergipe, um ato público será realizado no Hospital Universitário (HU) a fim de reivindicar junto ao Governo Federal melhorias e regulamentação da escala de trabalho de cada servidor da área de saúde.

Concurso - Conforme declarações do vice-presidente do Sindicato dos Médicos do Estado de Sergipe (Sindimed/SE), José Menezes, a realização de novos concursos públicos seria o ideal para melhorar o sistema. "Defendemos a criação de novos concursos, mas parece que o Governo não quer. Atualmente, os administradores contratam novos médicos para trabalharem 40 horas e receber apenas como se fossem 20 horas de trabalho semanal", alegou.
"Espero que os parlamentares revejam os respectivos conceitos e entendam o nosso pleito. Caso contrário, a perspectiva é aperfeiçoar a greve e continuar sem atuação por tempo indeterminado", concluiu.
Entre as categorias envolvidas diretamente no ato em Sergipe estão: Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed), Sindicato dos Servidores Técnicos Administrativos da Universidade Federal de Sergipe (Sintufs) e Sindicato dos Servidores da Saúde, Trabalho e Previdência do Estado de Sergipe (Sindiprev). A expectativa é que até o final da tarde um posicionamento nacional aponte a continuidade ou não da greve.