A saúde e o controle da natalidade começam pela água

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/05/2013 às 11:24:00

* Antonio Carlos Valadares

À primeira vista parece absurdo que um povo que adquirir um nível de saúde adequado, utilizando água tratada, pode reduzir a sua taxa de natalidade e ter uma vida melhor e mais próspera.
No livro Abundância (Peter H. Diamondis e Steven Kotler) encontramos referências comprovadas de que existe uma correlação direta entre a saúde - trocando a água suja por água limpa-, interferindo na diminuição do crescimento populacional, e avanço nas conquistas sociais.

Citando Gates da Microsoft, que coletou dados sobre população nos últimos 40 anos, o livro lembra o caso de Marrocos,  antes um país que enfrentava índices alarmantes de pobreza, crescimento exagerado de sua população e baixa expectativa de vida. Mas, agora, passa por mudanças que alteraram para melhor a qualidade de vida de seus habitantes.

Graças a um programa intenso para melhorar a água, o saneamento e os direitos das mulheres, a taxa de natalidade daquele país vem caindo. Em 1971 a taxa de natalidade das mulheres em média era de 7,8 filhos, e agora o número de nascimentos por mulher é de 2,7.
Água poluída sempre foi considerada  por médicos e especialistas em saneamento  básico como um dos vetores que mais causam doenças em todo o mundo.

As diarréias provocadas por bactérias patogênicas ou viroses ocasionais matam anualmente milhões de crianças. Se elas tivessem uma chance de viver, de estudar e de vencer poderiam tornar-se homens ou mulheres conscientes e produtivos, ajudando a melhorar a vida de nosso planeta. Poderíamos ter um Issac Newton, um Albert Enstein, um Rui Barbosa a edificar mais uma vez o fenômeno criativo da raça humana.

No nosso planeta azul quase 900 milhões de pessoas não têm acesso a água limpa, fator que contribui para a morte de crianças que poderiam participar, se vivas se estivessem do futuro da humanidade.
Então, vamos cuidar da água. Cuidando dela, e das crianças, estaremos cuidando de nossa própria sobrevivência!

* Antonio Carlos Valadares é senador da República