Déda cobra agilidade nas providências para contratação do Proinveste

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/05/2013 às 00:49:00

O governador Marcelo Déda promoveu ontem uma reunião entre os secretários de Governo, Pedro Lopes; da Infraestrutura, Valmor Barbosa, e do Planejamento, Orçamento e Gestão, Jeferson Passos, para agilizar a preparação de uma série de documentos que serão anexados à proposta do programa Proinveste.
"Considerando que o projeto já foi aprovado pelo Poder Legislativo e na próxima segunda-feira deverá ser sancionado, pedi que os secretários se adiantassem na parte mais burocrática verificando a especificidade dos documentos, certidões e outros requisitos necessários para minha assinatura, de modo que depois da sanção e publicação da lei, possamos já na próxima semana estar com o processo pronto para dar entrada na Caixa Econômica Federal , no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, além da Secretaria do Tesouro Nacional, em Brasília", disse Marcelo Déda.

A reunião buscou justamente promover a máxima agilização de toda a documentação que será anexada ao Plano de Trabalho cujo documento principal é a autorização dada pela Assembleia Legislativa, restando apenas a sanção governamental.

Batistão - Reunindo os secretários Valmor Barbosa, da Infraestrutura, Maurício Pimentel, do Esporte e Lazer, e de Governo, Pedro Lopes, além do procurador Marcos Cotrim, representando a Procuradoria Geral do Estado (PGE), o governador Marcelo Déda buscou encaminhar as providências relativas à assinatura da ordem de serviço para as obras do Batistão.
"Discutimos com a PGE o problema das quatro famílias que ocupam parte do espaço do estádio, e a nossa orientação foi para que a procuradoria, juntamente com a Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social, a Secretaria de Esporte e Lazer e a Seinfra tomem as providências necessárias para a retomada do contato com aqueles moradores", explicou o governador.

Ainda segundo o chefe do Executivo, atendendo a um pleito dos referidos moradores, foi suspenso o despejo ao longo de quase dois anos, desde que a questão foi abordada. "Há dois anos tomamos a decisão de não executar a ordem de despejo enquanto não tivéssemos os recursos garantidos e a decisão tomada de realizar a reforma do Batistão. O Governo demonstrou enorme compreensão e enorme solidariedade com aquelas famílias", destacou Marcelo Déda.

Agora, também de acordo com o governador, os recursos já foram depositados pelo Governo Federal, a licitação foi realizada e é necessário dar a ordem de serviço. "Nós queremos entrar em contato com as famílias para buscarmos um acordo que permita ao Estado realizar uma obra que é cobrada pela sociedade sergipana e, ao mesmo tempo, encontramos alternativas para que estas famílias não fiquem abandonadas e para sempre desalojadas. Vamos buscar soluções com base nas leis estaduais e normas que regulam os serviços de assistência social para que essas pessoas possam permitir a realização da obra com a garantia de que o Estado não as abandonará", declarou.