Sobrecarregado, Huse enfrenta nova denúncia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/06/2012 às 15:26:00

Kátia Azevedo
katiaazevedo@jornaldodiase.com.br

Com grande demanda de atendimento, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), o maior da rede pública do estado, volta a ser alvo de denúncias. Mais uma vez, a unidade enfrenta o problema da falta de macas, que compromete a oferta de assistência à população.  
O caso foi mostrado em matéria exibida ontem Jornal Bom Dia Brasil, da Rede Globo, revelando o estacionamento lotado de ambulâncias do Samu.  As imagens denunciam as unidades básicas e UTIs móveis chegando a ficar dez horas paradas no pátio do hospital à espera da liberação das macas para seguir viagem. Motoristas e outros servidores informaram que a cena é cotidiana.
A direção do hospital, entretanto, disse que a situação não é comum, mas reconhece que o aumento da demanda comprometeu a oferta de macas. "Na realidade não existe falta de macas. O que existe é um aumento da demanda, que causa esses problemas", garante Francisco Claro, superintendente do Huse.
Flagrante - As imagens exibidas na matéria flagraram as ambulâncias trazendo pacientes e as macas retidas no hospital como forma de suprir a falta do equipamento gerada pela superlotação da unidade. O Huse possui 300 macas, quantidade considerada suficiente pela Secretaria de Estado da Saúde, considerando a demanda normal de atendimento.
A subutilização da rede hospitalar do interior do Estado é apontada como um problema crônico que contribui para o atual quadro de atendimento nas grandes unidades de saúde pública em Sergipe, fato que ocorre com maior frequência durante os finais de semana, quando a quantidade de atendimento aumenta, provocando o congestionamento das ambulâncias do SAMU.