Importância do Banese é destacada na AL

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A presidente do Banese, Vera Lúcia de Oliveira, no Plenário da Assembléia Legislativa
A presidente do Banese, Vera Lúcia de Oliveira, no Plenário da Assembléia Legislativa

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/06/2013 às 03:06:00

O Banco do Estado de Sergipe (Banese) segue rigorosamente as normas do Banco Central do Brasil, Receita Federal, Tribunais de Contas e da CVM - Comissão de Valores Mobiliários. A afirmação foi feita nesta quinta-feira, 20, pela presidente do Banese, Vera Lúcia de Oliveira, no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe, onde compareceu em atendimento ao Requerimento n.º 862/2013, de autoria do deputado Venâncio Fonseca.

Segundo a presidente, o Banese é um banco que não tem partido, nem atendimento diferenciado. "O governador Marcelo Déda, quando me chamou para presidir o Banco, disse que eu tinha toda uma legislação a cumprir, rigorosamente, e é isso que nós fazemos no Banese: atendemos toda a legislação de órgãos como o Banco Central, Receita Federal, Tribunal de Contas e CVM", garantiu a presidente.

Vera foi convocada à Assembleia para falar sobre as operações de crédito realizadas pelo Banese com a empresa Transurh e sobre o caso da citação do nome do Banco em conversa gravada do governador do Acre, Tião Viana, com um empresário. Ela prestou informações e forneceu aos deputados toda a documentação de uma auditoria externa referente aos empréstimos realizados à empresa Transurh, que se tornou inadimplente e está sendo cobrada na Justiça, pelo Banco.

Quanto às declarações do governador do Acre, envolvendo o nome do Banco, ela informou que em fevereiro deste ano o Banese foi procurado por uma comitiva formada por representantes do governo e dirigentes de entidades daquele Estado, a exemplo da Federação das Indústrias, para conhecer os produtos da carteira de crédito destinados a fornecedores do Estado.
"Foi uma visita para conhecer os produtos que o banco fornece, apenas isso. Afirmo que nenhuma operação foi solicitada, nem nenhum contrato foi firmado com empresas do Acre", disse a presidente do Banese.

Durante a sessão da Assembleia, todos os parlamentares que se manifestaram demonstraram carinho e respeito pelo Banese. "Todo sergipano tem paixão pelo Banese", ressaltou o deputado Venâncio Fonseca, autor do requerimento de convocação da presidente. "A oposição não tem interesse em fragilizar o Banco. Somos oposição política, mas somos todos pelo progresso de Sergipe e pelo sucesso do Banese", disse o deputado Augusto Bezerra.

Muitos baneseanos, além de toda a Diretoria Executiva do Banese e dirigentes do Sindicato dos Bancários, compareceram à sessão. No plenário da Assembleia, os deputados Zeca da Silva, José Franco, Garibalde Mendonça, João Daniel, Raimundo Vieira, Pastor Antônio dos Santos, Ana Lúcia Menezes, Conceição Vieira e Francisco Gualberto, também se manifestaram, enaltecendo a importância do Banese para o desenvolvimento socioeconômico de Sergipe. "Temos consciência absoluta de que dentro do Banese não existe nenhuma operação que não possa ser debatida nesta Casa", atestou Gualberto em seu pronunciamento.