Ana Lúcia destaca o papel primordial das manifestações

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/06/2013 às 10:59:00

Na manhã desta quinta-feira, 27, a deputada estadual Ana Lúcia (PT) foi ao grande expediente para expor aos parlamentares e cidadãos presentes nas galerias suas impressões sobre as manifestações, e mostrar as imagens que desmentem as afirmações de que a deputada e os sindicatos são malquistos nas manifestações do Acorda Aracaju.

Segundo a educadora, a juventude que está nas ruas conclama por uma mudança urgente no seio da sociedade, urge a necessidade de uma profunda reforma política e pelo fim das diversas formas de opressão.

Além disso, a deputada ressaltou a bandeira de combate à corrupção, endossando em seu discurso que deve ser combatido com afinco. Munida com informações cedidas pelo Tribunal Superior Eleitoral, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral divulgou um balanço com os partidos com maior número de parlamentares cassados por corrupção desde 2000.

Segundo o ranking, o DEM ocupa o 1ºª lugar com 69 políticos cassados, seguido pelo PMDB e PSDB. Dos oito partidos, o PT ocupa o 7º lugar, com 10 políticos. Para ela todos devem ser cassados, sem exceção.
Ana destacou o posicionamento coerente e democrático da presidenta Dilma Roussef que vem respondendo as reivindicações da população. "A presidenta Dilma escutou essas vozes e colocou para a população brasileira a melhor forma de decidir, que foi o plebiscito", enalteceu.
Acrescentou também que ao retirar o PIS e Cofins a presidenta fez o papel dela, agora é a hora dos prefeitos e governadores ouvirem o clamor do povo.

Avaliou que a manifestação vem adotando dois discursos, um positivo e o outro negativo. Existe o discurso político de mudança e justiça social e existe o fascista, que prega a intolerância aos partidos e sindicatos, e que são alimentados com a violência que alguns manifestantes vem praticando para deslegitimar a luta, muitos destes mascarados para não serem reconhecidos.
"Nesse momento nós não podemos usar as máscaras, precisamos dizer a verdade sem as máscaras e mostrar a diversidade dos nossos rostos e ideias. Quem é contra o movimento sindical é contra a democracia", afirmou a professora.

Ainda pontuou que as bandeiras atualmente levantadas nas manifestações são as mesmas que durante anos foram levantadas pelos movimentos e atos nas ruas.
"Em toda a movimentação na história desse país as pautas de transporte, educação e saúde pública e de qualidade estiveram presentes", lembrou.