O Cinema Vitória é 10

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/07/2013 às 14:52:00

A programação do Cinema Vitória (na antiga Rua 24 Horas, centro de Aracaju), a cada semana vem com quatro a cinco filmes, quase todos de elevado teor artístico e das mais varieadas procedências. Os cinéfilos que já não conseguem engolir a grande maioria dos filmes medíocres exibidos nos shoppings Riomar e Jardins, estão correndo todos para o Cinema Vitória com suas quatro sessões diárias que incluem filmes como "O Sonho de Wadjda", produção da Arábia Saudita, dirigida por Haiffaa Al-Mansour de forma impecável. "A Cor do Paraíso" e "Filhos do Paraíso",ambos assinados por Majidi Majidi, produções iranianas. O diretor utiliza com muita eficácia, crianças como protagonistas, ao tempo em que trabalha com questões morais de países do Oriente Médio. De forma milimetricamente precisa, beirando a genialidade.

Duas produções brasileiras destacaram-se no Cinema Vitória, recentemente: "Colegas", de Marcelo Galvão, vencedor do Festival de Gramado versão 2012 e "Aos Ventos que Virão", de Hermano Penna, rodado em grande parte, no município sergipano de  Poço Redondo e tendo como protagonistas Rui Ricardo Diaz e Emanuelle Araújo. A pré-estreia do longa aconteceu no dia 10 de junho, aqui em Aracaju, inaugurando oficialmente o Vitória. Muitos atores sergipanos participaram do elenco, destacando-se Antônio Leite, Orlando Vieira, Stephanie Paula, Vieira Neto, Flávio Porto e João Jatobá.

Só resta desejar vida longa ao simpático, moderno e confortável Cinema Vitória, fazendo votos para que o nível da programação seja sempre de primeiríssima qualidade, o que dignifica a cultura sergipana.

Geléia Geral
... Gostaria de saber quem convenceu o padre Peixoto e o Magal da Pastoral de que eles são cantores, a ponto de serem contratados para cantar no Forró Caju 2013. Eles não cantam nada e só servem mesmo para as mães de filhos arteiros ameaçaram punir os "capetinhas" com uma hora de audição com um deles. Com os dois a punição seria insuportável. Ou não? Dolorosa interrogação.

... O reality show  "A Fazenda", da TV Record, na sua atual edição, parece mais um hospital para tratamento de loucos enfurecidos e quase incuráveis. Brito Júnior, o apresentador do programa bem que poderia dar uma de médico ou de monstro. Para ajudá-lo na infausta tarefa, a Record  poderia chamar o Doctor Hollywood. A primeira coisa que ele faria seria uma  cirurgia plástica na Rita Cadilac. Tadinha dela, está sendo chamada de "titia" pelos seus parceiros, em forma de deboche. Ainda bem que não resolveram chamá-la de Vovozinha...

....Pouca gente compareceu ao Teatro Atheneu para ver o ator baiano Carlos Betão recitando o monólogo "Sargento Getúlio". Daí a segunda apresentação ter sido cancelada. Lamentável, em se considerando que Betão é um bom ator.

... Para o escritor Ruy Castro, autor dos Best-sellers "Garrincha" e "Carmen Miranda", a máquina de es datilografia é mais avançada do que o computador porque não precisa de copiadora. E justifica: " A gente vai teclando e o texto vai surgindo à nossa frente, de imediato". Já para o saudoso Jorge Amado, que só escrevia seus romances na velha máquina Remington, o som dos teclados servia de inspiração. Já o computador é como o biabetes e a hipertensão, "uma doença silenciosa". Faz sentido.

 Coroa
  "De ouro a minha coroa de espinhos / Reluz sépia e num feixe desenha / Meu mundo de trevas e sofrimento." -Araripe Coutinho em "Nenhum Coração", primeira edição/2008.