Eleição para conselheiro tutelar foi suspensa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/07/2013 às 15:11:00

Milton Alves Júnior
miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br

Por falta de organização, no último domingo, 14, eleitores aracajuanos foram impossibilitados de votar em um dos 80 candidatos que pleiteavam uma das 25 vagas disponíveis para o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). Entre os problemas verificados estava a ausência do nome de alguns candidatos na cédula de votação, longas filas, falta de segurança e tentativa de boca de urna. Prevista para ocorrer em escolas públicas, todos os aracajuanos, com idade a partir dos 16 anos e portador de título de eleitor estavam aptos a participar da eleição. O salário do conselheiro tutelar é de R$ 1.500 e qualquer cidadão pode se candidatar.
De acordo com a moradora do bairro América, Mônica Azevedo, um conjunto de fatores contribuiu para que os próprios moradores reivindicassem a suspensão do processo eleitoral. Para ela, a organização do pleito demorou a adotar uma medida emergencial. "O problema da falta de nomes na cédula foi registrado já nos primeiros minutos da eleição e ninguém fez nada pra resolver. Disseram que iriam atualizar as cédulas e até às 11h nada havia sido modificado", afirmou. A eleição, que estava marcada para começar às 8h, possuía 70 urnas destinadas a todas as regiões da capital e a perspectiva é que 100 mil aracajuanos participassem diretamente da votação.
Conforme declarações da presidente do conselho, Ana Lúcia de Santana, na manhã de ontem o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) foi informado quanto ao erro registrado na lista de candidatos e espera o agendamento de uma nova data. "O próprio TRE é responsável pela impressão das cédulas. Quando identificamos esse problema, imediatamente corremos para tentar seguir com o processo sem prejudicar nenhum candidato, mas não houve jeito. Optamos por cancelar e aguardar uma nova data", declarou. Além da sessão no Bairro América, o problema também foi registrado em bairros da Zona de Expansão, Centro e Augusto Franco.

No conjunto Médici, os moradores disseram que um grupo se uniu para tentar eleger um representante da comunidade. Essa mesma atitude foi adotada por moradores do Santa Maria, Bugio e Pereira Lobo. Segundo Josué Santana Filho, morador do conjunto Luzia, os eleitores também estranharam a falta do nome dos seus respectivos candidatos logo no início da votação. "Infelizmente como não tinha o nome do meu candidato, acabei votando em outro. Fiz isso porque achava que ele havia desistido da disputa e não tinha avisado a ninguém. Com a anulação, espero que o problema seja resolvido e em breve ela possa ocorrer normalmente".

Resposta - Para o departamento jurídico do TRE, o problema foi possível devido a um erro da própria administração da CMDCA. Para Marcos Linhares, secretário jurídico do tribunal, essa mesma eleição estava marcada para o último mês de maio e teve que ser adiada por constatar problemas semelhantes. "Desde a alteração da primeira data, a lista não foi atualizada por parte da presidência do conselho e esse fato ocasionou nesse problema. É importante deixar claro que o TRE não foi culpado por mais esse adiamento. A medida agora é agilizar o trabalho de atualização e remarcar a nova data", disse. Segundo a direção do próprio tribunal, a perspectiva é que a eleição seja realizada no mês de setembro.