Mendonça quer aprimorar a produção industrial nacional

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal Mendonça Prado discursa na Câmara
O deputado federal Mendonça Prado discursa na Câmara

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/07/2013 às 15:31:00

O deputado Mendonça Prado (DEM) fez discurso no plenário da Câmara Federal com o intuito de destacar a problemática vivida no Brasil, no que se refere à produção industrial nacional. "Precisamos de ação efetivas para ampliar a indústria nacional, qualificar os profissionais para atuarem nesse setor e estabelecer políticas públicas mais eficazes para impedir o acesso de produtos contrabandeados que geram a concorrência desleal", afirmou.

Atualmente, a indústria nacional é responsável por mais de 25% do nosso Produto Interno Bruto (PIB), produzindo automóveis, aço e petroquímicos para computadores, aeronaves e bens de consumo duráveis. Apesar disso e estando o Brasil entre os 10 países mais ricos do mundo, nossa indústria ocupa apenas o 15º lugar em escala global nesse segmento, segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Dados da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC) revelam que o número de profissionais brasileiros atuando diretamente em atividades inovadoras é muito pequeno dentro do setor específico de equipamentos de comunicação.

Historicamente, nos dois governos Getúlio Vargas, a indústria nacional ganhou um grande impulso, com a criação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Petrobrás. No governo JK, a economia brasileira se abriu para os investimentos estrangeiros e para o desenvolvimento da indústria automobilística no país. Já no período militar, o crescimento do PIB brasileiro era de 10% ao ano, e a indústria continuava a se desenvolver, embora com pontos de estagnação devido às grandes crises econômicas mundiais. A redemocratização, a participação do Brasil nos blocos econômicos internacionais como o Mercosul, bem como a abertura de novos mercados projetaram as indústrias brasileiras para o exterior, exigindo do setor maior modernização para atender à concorrência internacional.

Mendonça Prado explica que, apesar de tudo, o crescimento da indústria nacional foi se esvaindo por falta de políticas públicas eficazes para este importante setor da economia. Em 2006, por exemplo, o crescimento foi de apenas 2,8%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Mesmo com grande importância para a geração de riquezas, esse setor da economia vem sofrendo com a falta de investimentos governamentais, quantidade excessiva de impostos, taxas e contribuições que inibem a ampliação do parque industrial nacional. O percentual de tributos com caráter cumulativo passou de 7,7% do total de tributos, em 2011, para 4%, em 2017, e precisa ser zerado em 2022. É necessária a redução da carga de tributos para desonerar os investimentos e as exportações", enfatizou Mendonça Prado.