Cinema de verdade, apesar dos pesares

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A escola enquanto reflexo do mundo
A escola enquanto reflexo do mundo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/07/2013 às 15:49:00

Rian santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Embora a Secretaria de Estado de Cultura e a Casa Curta-Se tenham feito ouvidos de mercador para os questionamentos da cena audiovisual sergipana em relação à gestão do Cine Vitória, não há como negar que a programação da sala localizada na antiga Rua 24 horas, no centro de Aracaju, é uma lindeza. Hoje, às 15 horas, pode ser a última oportunidade oferecida ao cinéfilo local para ver o canadense "O que traz boas novas" em tela grande. Apesar dos pesares...
No filme dirigido por Philippe Falardeau, Bachir Lazhar (Mohamed Fellag), imigrante argelino, é contratado para substituir um professor do ensino fundamental, que morreu tragicamente. Enquanto a classe passa por um processo de superação da perda, ninguém desconfia o drama pelo qual passa o novo professor, que corre o risco de ser deportado a qualquer momento.

De acordo com o crítico Luiz Zanin Oricchio, de O Estadão, boa parte do apelo da produção reside no recorte contemporâneo e na abordagem original realizada pelo diretor.
"Filmes de escola têm pelo menos duplo interesse. Escolas são universos interessantes em si mesmos. Além disso, podem funcionar como microcosmos da sociedade como um todo. São, também, espaços privilegiados de conflitos, já que servem de palco para uma fase crucial na socialização das pessoas. Daí o sucesso permanente de títulos como o antigo Ao Mestre, com Carinho e do muito mais recente Entre os Muros da Escola".