MST desocupa prédio da Cohidro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/07/2013 às 15:55:00

Os integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST) que invadiram na tarde da última terça-feira, 23, a sede da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), em Aracaju, durante todo o dia de ontem permaneceram nas dependências do órgão estadual com o objetivo de pleitear a federalização da área do projeto de irrigação Jacarecica II. Apesar do movimento ter firmado um acordo com representantes da Cohidro e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na qual garantiram deixar o espaço na manhã de ontem, os ocupantes decidiram por unanimidade intensificar o ato público e continuaram pressionando os governos estadual e federal.

Segundo o coordenador estadual do MST, Gileno Damascena, poucos minutos antes dos manifestantes evacuarem o local, uma assembleia extraordinária foi realizada e resultou na permanência do grupo por mais dez horas. Para o coordenador, essa atitude foi avaliada como positiva pela direção do MST devido a fragilidade e demora que o Governo Federal vem discutindo a Reforma Agrária no Brasil. "O homem do campo espera há 12 anos por uma resposta positiva e até agora nada foi oficializado. Esperamos que com essa manifestação, inclusive com a presença do ministro Pepe Vargas, algo de positivo seja repassado não só para os sergipanos, e sim para o povo brasileiro", afirmou.

Conforme reivindicação dos integrantes do movimento, caso o Incra nacional aprove a federalização do projeto de irrigação, a região vai poder assentar mais de 600 famílias dos municípios de Santa Rosa de Lima, Divina Pastora, Areia Branca, Riachuelo e Malhador. Essa semana, enquanto esteve em Sergipe, o ministro do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas garantiu que vai estudar o pleito dos sergipanos junto ao presidente nacional do Incra, Carlos Guedes. Apesar da garantia apresentada pelo ministro, como também por José Sobral, secretário de Estado da Agricultura, os manifestantes afirmaram que vão continuar mobilizados a fim de promover outras ocupações caso a promessa não seja cumprida.

Para o agricultor Rinaldo Pereira Filho, residente de um assentamento no município de Santana do São Francisco, a atual meta do MST é continuar acompanhando os trâmites realizados pelo ministro em Brasília. De acordo com ele, essa é a única forma de lembrar o gestor federal do compromisso firmado em Sergipe. "O Movimento dos Sem Terra é muito unido e a cada ano que passa nossa parceria fica ainda maior. Nós temos diversos companheiros em Brasília que já garantiram fiscalizar o andamento da conversa que deve ocorrer até o início da próxima semana entre Pepe e Guedes", disse.
Marcha - Hoje, 25 de julho, é o Dia dos Trabalhadores Rurais, quando será realizada uma grande marcha. A concentração será às 9 horas, no trevo da entrada de Aracaju. De lá, os trabalhadores saem em caminhada até o Centro da capital.