Luiz Antônio Barreto recebe homenagem no Palácio Museu Olímpio Campos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A exposição \'Um Olhar Sobre a Vida e Obra do Intelectual Luiz Antônio Barreto\'
A exposição \'Um Olhar Sobre a Vida e Obra do Intelectual Luiz Antônio Barreto\'

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 26/07/2013 às 02:53:00

A vida e a obra do historiador, jornalista e pesquisador Luiz Antônio Barreto foi apresentada e discutida em uma mesa-redonda por amigos e familiares. A palestra aconteceu esta semana na sala Multieventos do Palácio Museu Olímpio Campos (Pmoc) e contou com a presença de pesquisadores, estudantes, professores e intelectuais.

A mesa-redonda foi composta pelo intelectual Jackson da Silva Lima, pelo diretor-presidente da Segrase, Jorge Carvalho e pela viúva do homenageado, Raylane Navarro que na abertura da solenidade apresentou um monólogo sobre Luiz Antônio Barreto, com a participação dos convidados presentes. A homenagem contou ainda com a exposição 'Um Olhar Sobre a Vida e Obra do Intelectual Luiz Antônio Barreto', com mostra de livros, textos e fotos deste personagem histórico.

Para a coordenadora de educação e pesquisa do Pmoc, Eliana Borges, esta homenagem é para apresentar ao povo sergipano um ícone da literatura e sua trajetória de vida, cumprindo assim a função do Palácio Museu Olímpio Campos que é servir de espaço para fins pedagógicos e culturais. No encerramento do evento ocorreu uma apresentação do grupo teatral 'Louvor Sertanejo' e da dupla 'Melão e Melado' da cidade de Lagarto, terra natal de Luiz Antônio Barreto, emocionando familiares e todos os presentes.

Segundo Lucas Barreto, filho do homenageado, proferir palavras sobre a trajetória do seu pai e transmitir a emoção que sente é difícil. Mas elogiou a iniciativa do Palácio Museu Olímpio Campos por apresentar um pouco da história de um homem que ele considera símbolo da cultura e riqueza sergipana. "Que o Palácio continue com outras produções como esta, porque homenagear um homem como meu pai é permitir que pessoas conheçam a riqueza cultural do nosso povo eternizada em seus versos. Acho esta homenagem justa, digna e mais do que merecida", disse emocionado.

Trajetória e atividades - "Luiz Antônio Barreto é símbolo de sergipanidade. Ele deixou gravado para sempre em seus livros, crônicas, debates, pontos de vista um pouco do nosso Estado. É um homem sábio, inteligente, culto e acima de tudo amante e contribuinte da literatura e da nossa cultura", assim, o reitor da Universidade Federal de Sergipe, Angelo Roberto Antoniolli que se fez presente na ostentação definiu o escritor.
Na literatura, Barreto deixou marcas expressivas e escreveu diversos livros, mas também se destacou em outras áreas em que atuou. Em sua longa trajetória dentre outros cargos, Luiz Antônio também foi chefe da Assessoria Cultural da Secretaria da Educação e Cultura de Sergipe e depois secretário, foi superintendente de documentação da Fundação Joaquim Nabuco nos anos de 1987 a 1989 em Recife, Pernambuco. Assumiu por vários anos a diretoria da fundação cultural Augusto Franco, exerceu o papel de assessor da Presidência da Confederação Nacional da Indústria, diretor do Instituto Tobias Barreto e chegou a ocupar também cargos em Portugal, onde foi diretor do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira.

E sua trajetória é marcada também com participação e presidência na Academia Sergipana de Letras, ocupante da cadeira nº 28, nos biênios 1981 a 1983 e de 1983 a 1985, era ainda membro e orador do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, conselheiro dos Conselhos Estadual e Municipal de Cultura do estado e membro da União Brasileira de Escritores (UBE)- Secção de Pernambuco.
"Luiz Antônio Barreto ao longo da sua vida, tão bem reavivada e apresentada hoje neste evento por seus amigos, mostra o quanto ele foi um homem honrado e que fez muito em prol da história e da cultura de Sergipe. Todas as homenagens são sempre bem-vindas e fico feliz por ter sido companheira de um homem brilhante e que será sempre eterno na história cultural do nosso Estado, do país e do mundo", disse a esposa Raylane Navarro.

Biografia do homenageado - Nascido na cidade de Lagarto, no dia 10 de fevereiro de 1944, filho de João Muniz Barreto e Josefa Alves Barreto, o jornalista, historiador e sociólogo Luiz Antônio Barreto estudou Direito em Aracaju e no Rio de Janeiro, onde também cursou a Escola Nacional de Música. Atuou nas áreas de educação, cultura, história, comunicação, literatura e folclore, exercendo assim, diversos cargos em instituições públicas e privadas, cuja dedicação lhe valeu uma bela contribuição intelectual.
Na área museal, contribuiu efetivamente para a montagem de todas as Casas de Memória de Sergipe, destacando-se na implantação do Palácio Museu Olímpio Campos, Museu Afro-Brasileiro de Sergipe, Memorial do Judiciário e do Museu da Gente Sergipana.

Luiz Antônio Barreto ocupou vários cargos públicos, divulgou Sergipe em nível internacional e recebeu diversas homenagens. E segundo Jackson Silva Lima, um dos palestrantes, "este grande escritor tornou-se um personagem exponencial na cena social, educativa e cultural do nosso Estado. E pensar Sergipe foi sempre à tarefa diurna de Barreto, esta foi sua missão primordial enquanto vivente".