Charles Chaplin

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
SEGUNDO LAURENCE OLIVIER, \"CHARLES CHAPLIN FICARÁ NA MEMÓRIA COMO O MAIOR ATOR DE TODOS OS TEMPOS\"
SEGUNDO LAURENCE OLIVIER, \"CHARLES CHAPLIN FICARÁ NA MEMÓRIA COMO O MAIOR ATOR DE TODOS OS TEMPOS\"

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 30/07/2013 às 02:52:00

Nome verdadeiro: Charles Spencer Chaplin.
Nascido em Lambeth South Londres, na Inglaterra, no dia 18 de abril de 1889.

Fez sua primeira aparição no teatro com cinco anos, tornando-se comediante em musicais, em 1898.
Chegou aos Estados Unidos com a companhia de Fred Karno e acabou trabalhando para  Marck Sennet e Keystone. Seu primeiro filme foi "Making a Living", que estreou em 1914. Depois veio "Kid Auto Races in Venice", onde, pela primeira vez ele usou o traje de vagabundo, criando o personagem que o faria mundialmente famoso: Carlitos.

Contratado pelos Estúdios Essaney, em 1915, passa a receber um salário de 1.250 dólares por semana. Chaplin já estava sendo chamado de "O maior comediante do mundo". Nesse estúdio contracenou com Bem Turpin e Edna Purviance no filme "O Vagabundo" (The Tramp), que muitos críticos dizem ser sua primeira obra-prima.

Em 1918, transfere-se para a Firs National (depois de passar pela Mutual) para fazer filmes a 150.000 dólares cada: "Vida de Cachorro", "Ombro Armas", "Um Idílio nos Campos". Após "Pastor de Almas", Chaplin fundou a United Artists com Mary Pickford, Douglas Fairbanks e D.W. Griffith. Em 1925 fez "Em Busca do Ouro", que estourou como o maior sucesso de crítica e de público. Mas foi em 1928 que recebeu indicação para o Oscar de melhor ator e uma premiação especial pela produção do filme "O Circo".

O advento do som não o perturbou. Chaplin continuou calado, apenas colocando música nos seus filmes. "Luzes da Cidade" foi outro grande sucesso. Na sátira "Tempos Modernos", à era das máquinas, ele ainda continuou mudo, apesar de alguns murmúrios. Foi com raiva do que estava acontecendo na Europa que Chaplin fez outa sátira - "O Grande Ditador" - sobre Hitler, tendo Jack Oakie como Mussolini. Após a guerra fez "Monsieur Verdoux", que hoje, muitos consideram o seu melhor filme. A figura do vagabundo havia desaparecido.
"Luzes da Ribalta", em 1952, fez muito mais sucesso na Europa do que nos Estados Unidos.
Mudou-se para a Suiça com a quarta esposa, Oona, filha do escritor Eugene O'Neill, principalmente por estar sendo acusado de anti-americano e simpatizante do comunismo.

Chaplin odiava a morte e tinha um medo quase patológico dos agentes que a propagam: os resfriados, a poeira, os insetos, as rosas. Era materialista, ignorava que o espírito é imortal assim como sua genialidade, assim como Carlitos, que seria o primeiro a dizer: Chaplin vive. E paira sobre todos nós, como um condor.
Charles Chaplin morreu na Suiça, no dia de Natal de 1977, tendo finalmente sido reconhecido pela Inglaterra com o título de Cavaleiro (Sir). Sua filha Geraldine Chaplin também tornou-se uma grande atriz, principalmente no cinema espanhol, dirigida pelo marido, Carlos Saura.

A vida de Chaplin nem sempre correspondeu à grandeza de sua obra. Suas idéias políticas de esquerda não o impediram de acumular uma fortuna colossal gerida com o máximo rigor capitalista. Seu moralismo público não atrapalhou aventuras amorosas conduzidas com discutível elegância.
(Resumo do Capítulo 20 do meu livro inédito "Ícones do Cinema que Nunca Sairão de Cena")