Taxista é assaltado no centro de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2012 às 15:56:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

Novos assaltos continuam sendo registrados na Grande Aracaju contra taxistas. Na manhã de ontem, terça-feira, um taxista foi assaltado por um grupo formado por três pessoas, sendo que duas eram mulheres. O assalto aconteceu no semáforo na rua Geru, por volta das 5h da manhã.
O grupo levou vários objetos, inclusive documentos pessoais e do veículo, além de uma quantia em dinheiro, cujo montante não foi revelado. Policiais da 1ª Companhia do 8º Batalhão da Polícia Militar foram acionados, realizaram rondas em vários locais, mas não conseguiram localizar suspeitos.
Rotina - Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Táxi de Sergipe, Gerson Ferreira da Silva, essa é uma prática comum no dia a dia do taxista, pois uma média de dois e três assaltos contra taxista acontece todos os dias.
Gerson denuncia que já esteve na Secretaria de Segurança Pública protocolando um ofício com a solicitação de uma reunião com o secretário de Segurança Pública, João Eloy, mas não obteve sucesso. O secretário-adjunto, João Batista ao dar uma entrevista em uma emissora de rádio, garantiu que ia agilizar o encontro, mas também não cumpriu com a palavra. O comandante da Polícia Militar, coronel Yunes também não recebeu os táxistas. "Somos uma categoria abandonada no Estado, pois ninguém faz nada para nos ajudar", denunciou Gerson.
O sindicato não possui dados estatísticos, apenas uma estimativa que totaliza 300 assaltos e furtos em todo o Estado, nos últimos cinco meses. "O que temos é uma estimativa, pois dados tão importantes quem deveria ter era a Secretaria".
O presidente do Sintáxi prometeu que caso os dirigentes da SSP continuem no silêncio, a categoria irá procurar o governador Marcelo Déda. "Vamos cobrar dele mais segurança para os 10 mil profissionais da área espalhados pelo Estado", avisou Ferreira.
Com a insegurança nas ruas, muitos taxistas deixaram de circular à noite, pois é o horário com mais registro de furtos, assaltos e agressões.