Royalties do petróleo para Sergipe caíram 13,2% em julho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/08/2013 às 03:15:00

O pagamento de royalties do petróleo e gás natural para Sergipe ficou em R$ 11,7 milhões, no sétimo mês deste ano. A compensação registrou queda de 13,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Entre junho e julho deste ano, contudo, houve crescimento de 2,5% no pagamento. A análise está no Boletim Sergipe Econômico, uma parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da ANP.

O município de Carmópolis, maior pólo de extração de petróleo e gás do estado, recebeu no mês analisado R$ 1,646 milhão em royalties, enquanto Japaratuba auferiu R$ 1,620 milhão. Já o município de Aracaju foi compensado com R$ 1,420 milhão.
Outros destaques foram os municípios de Itaporanga D'Ajuda, Estância e Rosário do Catete, aos quais se destinaram R$ 1 milhão, R$ 898 mil e R$ 877 mil, respectivamente, referente à extração de petróleo e gás.

Apreensão - A queda na receita dos royalties em mais de R$ 4,2 milhões nos últimos dois meses do ano - abril e maio -, se comparado com os três primeiros meses de 2013 - janeiro, fevereiro e março -, tem levado o prefeito do município de Pirambu, Élio Martins (PSC) a rever algumas ações na administração municipal.

Nos três primeiros meses do ano - janeiro, fevereiro e março - o município recebeu de royalties mais de R$ 5.692 milhões. Já nos dois últimos meses - abril e maio -, a arrecadação não passou de R$ 1.472 milhões, representando uma queda na receita de mais de R$ 4.220 milhões.

Para se ter uma ideia do quanto isso está afetando a administração municipal é só fazer um comparativo entre os três primeiros meses com os dois últimos meses: Em janeiro o valor dos royalties foi da ordem de R$ 2.050 milhões; em fevereiro o valor foi de R$ 1.824 milhão e em março o repasse foi da ordem de R$ 1.817 milhão.

Já em abril o valor do repasse foi da ordem de R$ 742 mil e em maio esse valor foi da ordem de R$ 730 mil, representando uma queda na receita de mais de R$ 4,2 milhões, o que corresponde a mais de 60% da receita.

Apesar da queda na receita dos royalties, o prefeito assegura que os investimentos nas áreas da Ação Social, Saúde e Educação serão mantidos. "Todos os esforços serão feitos para que as áreas não sofram nenhum processo de continuidade", disse o prefeito, que já determinou que fosse feito um levantamento para quais os setores que serão mais afetados com a queda no repasse dos royalties.

Em uma avaliação preliminar, segundo o prefeito, a pasta que deverá sofrer o maior impacto com a queda nos recursos será a Secretaria de Obras, Transporte e Urbanismo, por ser a secretaria com a maior contratação de mão de obra para a execução dos serviços.