Maternidade atualiza programa 'Mãe Canguru'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2012 às 16:01:00

Nos próximos dias 4,5 e 6 , a Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL) receberá nova visita de técnicos do Ministério da Saúde (MS). Além divulgar as novas diretrizes do Método Mãe Canguru (MMC), através de uma atualização com os funcionários, a comissão deve validar o programa desenvolvido na unidade.
"Nesse encontro vamos reunir profissionais de saúde, não só da Ala Verde da MNSL, onde as mães e os bebês prematuros são assistidos, mas também de outras maternidades do interior do Estado que compõem a rede materna. A meta do governo federal é ampliar as ações que tem ajudado a salvar a vida de muitos recém-nascidos," explicou a coordenadora do Núcleo de Apoio Técnico (NAT), Dayse Viana.

O programa - O Método Mãe Canguru (MMC) foi implantado em Sergipe há oito anos. O trabalho, que começou na Maternidade Hildete Falcão Batista (MHFB), se estende até hoje na Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), referência para casos de alta complexidade. As ações são desenvolvidas por uma equipe multidisciplinar composta por neonatologistas, pediatras, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeuta ocupacional, enfermeiras, técnicas e auxiliares de enfermagem, entre outros profissionais.
O desenvolvimento do método é composto por três etapas. A primeira, começa no cuidado prestado ao recém-nascido na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), onde é garantido todo suporte necessário com a utilização de respiradores e monitores multiparâmetros. Depois da evolução clínica, o bebê é encaminhado para enfermaria da Ala Verde, onde o filho fica 'amarrado' ao corpo da mãe na posição vertical. A última etapa acontece de forma ambulatorial, através de consultas especializadas no consultório de 'follow- up' [termo em inglês, que significa 'revisão/acompanhamento'].
 "Há comprovações científicas que a chamada posição canguru não proporciona apenas o contato pele a pele, mas incentiva a alimentação exclusiva com leite materno, pois estimula o vínculo. Graças a essa ação simples, reduzimos o tempo de permanência nas incubadoras e constatamos melhorias significativas nos pequenos pacientes", informou o neonatologista e coordenador do método Alex Santana.