Prefeitura suspende recapeamento asfáltico

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2013 às 02:50:00

Milton Alves Júnior
miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br

A Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) informou ontem que o programa 'Rodando no Macio', lançado há 31 dias pelo prefeito de Aracaju João Alves Filho (DEM), será temporariamente cancelado por falta de matéria prima utilizada na produção do asfalto. Segundo perspectiva da administração municipal, esse programa tinha como meta promover o recapeamento e pavimentação asfáltica em algumas vias da capital que foram avaliadas como ultrapassadas.

Apesar da suspensão do programa, a prefeitura garantiu que ainda existe estoque do material, mas que será dedicado exclusivamente para o serviço de tapa buraco. Muitos motoristas criticaram a interrupção e reclamaram do vasto número de buracos na cidade. A perspectiva é que em no máximo 15 dias o problema já tenha sido solucionado pela Petrobras e consequentemente os trabalhos voltem a ser intensificados pela prefeitura.

Para o comerciante Wendell Assis, os motoristas há anos não enfrentam esse tipo de problema. Segundo ele, uma possível falta de empenho do prefeito está contribuindo para a proliferação desses buracos. "Parece que estamos andando em um queijo suíço. Minha Nossa Senhora, nós temos que viver desviando para não cair e ficar nos buracos. Em todo o canto a gente se depara com esse problema", alegou. Ainda de acordo com a prefeitura, a escassez desse produto está afetando todo o estado de Sergipe e Bahia.
Questionado quanto ao fato do programa ter sido suspenso, Assis se mostrou surpreso com a paralisação. "Mas já? Será que ninguém procurou saber se teria produto suficiente pra realizar todo o serviço? Impressionante, em um mês de trabalho a principal área beneficiada foi o bairro 13 de Julho onde só mora gente de classe média alta. Se ele era a solução, até agora não mostrou para que veio", pontuou.
Todo asfalto implantado na Grande Aracaju é oriundo de uma usina do produto que fica instalada na cidade de São Cristóvão e é gerenciada pela própria prefeitura da capital. Entre os pontos mais críticos está o trecho entre o conjunto Augusto Franco e bairro São Conrado. Isso sem citar as vias da Zona de Expansão.
Até a regularização do fornecimento de matéria-prima que vem da Refinaria Landulpho Alves (Bahia), a Emurb garante que vai viabilizar a melhoria das vias até que uma reforma geral seja devidamente promovida. Enquanto essa mudança não ocorre, as oficinas continuam cheias.

Através de nota emitida ao Jornal do Dia, a Secretaria Municipal de Comunicação Social informou que os gestores responsáveis pela regularização do serviço já estão debatendo alternativas emergenciais para que o programa volte a ser realizado.