Semarh realiza consulta pública em Glória para discutir diagnóstico das bacias hidrográficas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 00/00/0000 às 00:00:00

Aconteceu na manhã de ontem, 20, na cidade de Nossa Senhora da Glória, uma consulta pública para apresentação e discussão do diagnóstico dos cenários atuais das bacias Hidrográficas do Rio Sergipe, Piauí e Japaratuba. O evento, coordenado pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), ocorreu na Câmara Municipal de Vereadores da cidade, com a presença de mais de 100 pessoas.

Durante a apresentação do diagnóstico da Bacia do Rio Sergipe, técnicos da Cohidro Consultoria Estudos e Projetos, empresa contratada pela Semarh para a elaboração dos Planos das três Bacias Hidrográficas, apresentaram resultados de estudos, cujos principais dados foram referentes aos aspectos socioeconômicos, ocupação de solo, situação ambiental e hídrica.
"Hoje, iremos apresentar uma síntese da situação encontrada na Bacia do Rio Sergipe, como também, colher subsídios e manter um olhar mais focado desta bacia", disse a gerente técnica da empresa Cohidro, Ana Catarina.

Diagnóstico - Sobre os vários aspectos que compõe o diagnóstico do Plano da Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe, entre elas a situação socioeconômica, Ana Catarina destacou que a economia da bacia destaca-se pela produção industrial, o agronegócio, a irrigação, o comércio, a prestação de serviços, a pesca como também a mineração. Sobre a irrigação, disse que ela ocorre de forma expressiva na bacia impulsionando assim o desenvolvimento do agronegócio, sendo fator gerador de uma maior diversificação nas culturas agrícolas da bacia.

Em relação ao uso e ocupação do solo, foi constado no diagnóstico que a área total de utilização das terras da bacia é ocupada por lavouras permanentes, lavouras temporárias, matas, florestas e pastagens. "Vale destacar que o solo da bacia obteve uma redução em sua área plantada. Essa redução ocorreu nas áreas de pastagens experimentais, porém, a mesma ainda continua sendo a principal atividade em relação as demais áreas de uso agrícola", destacou Ana Catarina.