Encontro discute combate à desertificação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O debate realizado em Canindé do São Francisco reuniu prefeitos e autoridades ligadas ao meio ambiente
O debate realizado em Canindé do São Francisco reuniu prefeitos e autoridades ligadas ao meio ambiente


Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/08/2013 às 02:11:00

Junto aos prefeitos do semiárido do Estado de Sergipe, aos representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), o secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), Genival Nunes, participou nesta sexta-feira, no município de Canindé de São Francisco, de importantes discussões a cerca de políticas públicas e mobilização em torno do Combate à Desertificação no Semiárido e Sertão sergipano.

Nas discussões, a elaboração de Planos Municipais de Combate a Desertificação com Conferência Livre de Meio Ambiente  sobre a  Produção  e Consumo Sustentável. As pautas da reunião foram elaboradas pelo Grupo Permanente de Combate à Desertificação (GPCD/SE).
"Importante momento de diálogo. Há um painel do Brasil que aponta para os principais pontos de regiões que estão em estado de desertificação. Nesse cenário a nível semiárido e sertão do Brasil, destacam-se os municípios de Canindé de São Francisco e Poço Redondo, que são de Sergipe. É imprescindível que os municípios criem seus planos municipais para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca. O desafio é o aproveitamento do ambiente nativo através do plano de manejo para a região da caatinga", frisou o secretário Genival Nunes em sua participação no fórum de discussões.

Segundo o secretário, o Governo de Sergipe não tem medido esforços para levantar estratégias que venham  a somar-se com o processo de enfrentamento à desertificação. "Prova disso será o encontro entre a  ministra do Meio  Ambiente, Isabella Teixeira, junto ao governador de Sergipe, Jackson Barreto, que promoverá o fornecimento de recursos na ordem de R$ 9,5 milhões destinados a  agenda da desertificação e do desenvolvimento sustentável para as  regiões de Sergipe que estão susceptíveis à desertificação", destacou Genival Nunes.

Com base numa experiência exitosa em Irauçuba, município do Estado de Ceará, o prefeito da cidade José Elisnaldo Mota Pintor, fez relatos sobre o desenvolvimento do Plano de Ação Municipal de Combate á Desertificação do seu município- único plano efetivado em todo o Brasil.
"O plano municipal foi criado há 13 anos por idealização de jovens e da comunidade local. Tem dado certo e fico muito grato em podê-lo apresentar como exemplo para demais municípios que se igualam no processo de desertificação", conta o prefeito de Irauçuba.

Anfitrião do encontro, o prefeito de Canindé do São Francisco, Heleno Silva, lamentou os efeito da seca em seu município esse ano. "Atravessamos uma das piores secas dos últimos 40 anos. Não choveu esse ano e isso traduz inúmeras perdas para o povo da nossa região do sertão. Buscar estratégias para amenizar os efeitos da seca e recursos para contornar o estado de desertificação no solo do sertão é uma iniciativa que só nos deixa muito feliz", declarou Heleno sobre iniciativa do encontro.

Para o diretor nacional de Combate á Desertificação, do MMA, Francisco Campelo, o ministério  tem como instrumento de gestão à Comissão Nacional de Combate à Desertificação -  representada por onze municípios, governo e sociedade.

Explicou Campelo, que junto à comissão está a Secretaria Executiva do MMA, que  tem um conjunto de esforços que envolve ações com apoio e parceria do IICA, do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDS) para o Fundo Clima, do Banco do Nordeste que busca eficiências energéticas para cerâmicas, além de capacitações,  qualificação  e programas que promovam o uso sustentável da caatinga.
Para finalizar o representante do Ministério do Meio Ambiente ressaltou que o Estado de Sergipe poderá vir a ser referência para outros estados no fortalecimento da gestão ambiental por fazer parte da Comissão Nacional de Combate à Desertificação, apoiado pelo Fundo Global Ambiental, pelo IICa e pelo Programa das Nações unidas, o PNUD.

Em Sergipe, as cidades de Canindé de São Francisco, Gararu, Monte Alegre, Nossa Senhora de Lourdes, Nossa Senhora da Glória, Poço Redondo e Porto da Folha enquadram-se em áreas susceptíveis à desertificação. De acordo com dados da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, no Brasil as áreas susceptíveis à Desertificação (ADS) abrangem onze estados, incluindo Sergipe. São eles, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo e Alagoas.