Moradores do 17 de Março fazem novo protesto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/08/2013 às 02:37:00

Moradores do bairro 17 de Março, em Aracaju, realizaram na manhã de ontem mais uma manifestação contra a Prefeitura de Aracaju, em especial, contra a administração da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT). Conforme reclamações dos populares, todos os dias motoristas transitam em alta velocidade e constantemente estão provocando acidentes. Segundo eles, a administração municipal possui conhecimento da causa, mas não promove nenhuma mudança que oferte melhoria para os pedestres. Durante a mobilização, os moradores bloquearam uma das vias de acesso ao bairro promovendo a queimada de pneus e galhos de árvores.

Avaliando o ato público como necessário, a autônoma Luíza Francisca disse que apenas com mobilizações dessa natureza os administradores públicos passam a atender os pleitos da comunidade. "Temos que aprender que promessas em período eleitoral não se devem ser levadas em conta. João disse que iria melhorar a vida dos moradores aqui do 17 e até agora nada. Na realidade já pedimos a instalação de quebra-molas e ninguém iniciou essas obras ainda", lamentou. Aproveitando a oportunidade, os manifestantes decidiram reivindicar melhorias no saneamento básico, moradia popular e aumento no número de linhas do transporte coletivo.

Esse foi o caso do vigilante Emerson Tavares que disse temer assaltos todas as vezes que volta pra casa. De acordo com ele, com a retirada da VCA - Viação Cidade de Aracaju o problema ficou ainda mais grave. "De uns 20 dias pra cá eu tenho que caminhar cerca de dois quilômetros até minha casa. Como se não bastasse a falta de ônibus, também temos que enfrentar a iluminação precária do bairro e a grande presença de assaltantes que aproveitam a ausência de rondas de segurança", disse. A manifestação que teve início por volta das 6h20, durou aproximadamente 1h30 e foi encerrada por decisão dos próprios moradores.

Para tentar regularizar o fluxo de veículos e evitar uma maior desordem pública agentes da SMTT e da Polícia Militar foram encaminhados para o local. Apesar de terem liberado a via de forma pacífica, os moradores ressaltaram que podem novamente promover a interdição da avenida principal caso os redutores de velocidade não sejam devidamente instalados. "O nosso limite de paciência já foi ultrapassado e não conseguimos mais ficar de braços cruzados esperando o 'prefeito da solução' fazer alguma coisa por nós. Já se passaram oito meses e as promessas ainda não foram cumpridas", afirmou o gari Robson dos Santos. Essa foi a segunda manifestação em menos de quatro dias.

Fatalidade - Na última quinta-feira, 22, uma criança de apenas oito anos de idade foi atropelada após descer de um ônibus coletivo que estacionou de forma irregular no meio da pista. Ao correr para tentar atravessar a rua, a vítima não percebeu que na direção oposta uma caçamba seguia em sua direção em alta velocidade. Não conseguindo frear, o motorista do veículo pesado acabou atropelando a menina. Apesar de uma ação rápida de equipes do Samu - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, a vítima não resistiu aos ferimentos e morreu no local.