Maurício de Souza e Ziraldo vão se unir em projeto online de estímulo à leitura

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/08/2013 às 02:45:00

Maurício de Souza e Ziraldo, dois dos escritores e ilustradores de maior alcance com o público infantil, querem usar a internet para ampliar o número de leitores no país, por meio do método Kumon de aprendizagem. Esse método de ensino foi criado na década de 1950, no Japão, pelo professor de matemática Toru Kumon, e estimula o aluno a gostar de aprender e a se sentir seguro no processo de aprendizagem.  

Ziraldo disse, em entrevista à Agência Brasil, que é preciso fazer algo diferente para que a leitura seja um hábito nacional. "Eu acho que se a gente não tomar providências para fazer um movimento agressivo para transformar o Brasil em um país  de leitores, a gente vai ficar nesse rame-rame a vida inteira, botando todo ano uma legião de analfabetos no mercado", disse o escritor e ilustrador que será homenageado na 16ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que será aberta no próximo dia 29.
Para ele, o ser humano só fica pronto depois que sabe ler, escrever e contar (a história que leu). "Não adianta ter os cinco sentidos e ser analfabeto", argumentou. Ziraldo que acredita que ler dá autonomia às pessoas.

A ideia de lançar um método Kumon de leitura começou a ser alinhavada entre os dois ilustradores e consiste em usar suas personagens principais - a Mônica, de Maurício de Souza, e o Menino Maluquinho, de Ziraldo - em um programa de televisão educativo. "Nós vamos inventar um jeito de usar o sistema online para poder fazer o brasileiro gostar de ler. É um experimento. Temos que juntar os dois caras que lidam com a criança no Brasil há mais tempo. O Maurício já sabe mexer com a televisão e eu vou explorar a competência dele".

Para o criador do Menino Maluquinho, a escola brasileira não sabe ensinar as crianças a gostar de ler porque, em geral, as próprias professoras não foram habituadas a ler quando crianças. Ziraldo, no entanto, destaca que a educação no Brasil não chega a ser um problema. Por isso, o objetivo dele e do criador da Turma da Mônica, com o projeto do estilo Kumon, é colaborar para a formação de mais leitores no país. "Se o cara não lê, não escreve e não conta, ele não pode ser educado. Não tem condição". (Agência Brasil)