Concerto para o fim do mundo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A nação de preto hasteia a bandeira e convoca todos os expatriados
A nação de preto hasteia a bandeira e convoca todos os expatriados

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/08/2013 às 02:47:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

A assinatura dos anfitriões no convite tosco, espalhado pelo Facebook, não poderia ser mais eloquente. Nenhum grupo de músicos reivindica o nome de Casca Grossa, Uterokaos e Crimes Hediondos à toa. Próximo domingo, a Casa Rua da Cultura abriga o Concerto para o fim do mundo, uma grande reunião de roqueiros podres empenhados na fundação de uma nação de preto com bandeira hasteada, expatriados e tudo.

Pelo menos dois nomes de peso recomendam o evento. Além da Karne Krua, que prepara o lançamento de um novo registro, há também a gritaria cheia de energia do trio The Renegades of Punk, uma das bandas mais profícuas a cobrar a atenção do mundo para o nosso umbigo.

Mais do mesmo - Nas palavras de Daniela Rodrigues (guitarras e vocais), Coração Metrônomo (2012), registro mais recente dos renegados, pode ser definido como "a mesma merda de sempre". Singelo. O pior é que faz sentido.

Vigoroso, o disco faz justiça ao ideário de músicos apegados às próprias premissas, apesar dos dogmas vigentes nos círculos fechados pelos quais transitam. O batismo da banda pode até ser fruto de uma brincadeira, como li por acaso numa entrevista, mas desconfio que também não se deu à toa.

Interessa, no entanto, a força da patada. Doze canções acusando a impotência de meus olhos marejados de contemplação. Os prédios que eu não derrubei; presidentes abatidos no grito e amores declarados com tiros de canhão. Tudo o que eu não realizei em quatro acordes obsessivos e uma caralhada de baquetas quebradas.
Sim, sou invejoso.

ROP - The Renegades of Punk surgiu no calor tropical do nordeste brasileiro, mais especificamente em Aracaju (Sergipe), no início de 2007. A banda conta com ex-integrantes de bandas do cenário punk como Triste Fim de Rosilene e xReverx. Agora, mais velhos e mais chatos, esses degenerados se dedicam a arte decadente do punk rock.

Em cinco anos de atividade a banda lançou um ep (2008), um split com os potiguares da Mahatma Gangue (2009), uma versão em vinil 7'' do primeiro ep pelo selo alemão Thrashbastard (2010) e um 5 way com bandas do cenário punk rock nacional (Velho, Os Estudantes, Homem-Elefante e Ornitorrincos). A banda já tocou em diversos shows pelo sudeste e nordeste do país.