Sem dever nada a ninguém

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Construir junto é mais bacana
Construir junto é mais bacana

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 30/08/2013 às 02:44:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Fazer música de verdade, sem ficar devendo nada a ninguém.  Os responsáveis pelo projeto Zons - iniciativa que reuniu forças em torno de um registro audiovisual cuidadoso, centrado no momento singular vivido pela música parida na aldeia - não foram sucintos como este que vos escreve, um cavalo batizado, curto e grosso. A elegância do fotógrafo Victor Balde e o músico Edézio Aragão, procurados para dar conta das premissas que apóiam a empreitada, não omitiu, contudo, uma satisfação legítima, fruto da possibilidade de fazer a coisa acontecer por conta própria.

Por "fazer acontecer" entenda-se a mobilização dos maiores interessados na vitalidade da cena: agentes e público. Segundo Aragão, faz tempo que a galera amealhada pelas nossas bandas compreendeu o seu papel enquanto fomentador dessa cadeia criativa.
"O que parecia faltar era a promoção de formatos participativos, uma espécie de encaixe para acolher o desejo de participação e interação das pessoas. Construir junto é mais bacana. Aprendemos com as trocas e repensamos os formatos com os colaboradores. Outro ponto é a percepção dessa vontade de participar e se sentir agente de algo que você acha legal. Havia a ambição de participar, mas faltavam os meios. O Zons está experimentando uma forma de facilitar essa troca, e até agora, estamos indo muito bem. Mas sempre é bom lembrar que ainda não alcançamos a meta do Catarse. Por isso, quanto mais gente entendendo essa ação e colaborando, melhor".

Esta semana, o Pocket Zons oferece nova chance aos interessados. Uma oportunidade de curtir algumas de nossas melhores bandas e colaborar com um projeto bacana, que deverá render muita coisa boa pra música da gente.

Zons - Um grupo de cinco bandas se reuniu para gravar seu próprio DVD com o apoio de profissionais da cadeia produtiva da música, de forma independente. A escolha das bandas elegeu como critérios a atividade das convidadas, além do perfil autoral e independente.

A primeira escolhida foi A Bandas dos Corações Partidos, que tinha acabado de gravar em estúdio, ao vivo, com cenário e figurino, reconhecida pela performance melodramática. Depois somaram-se ao projeto as bandas parceiras The Baggios, o duo de rock mais possante do nordeste, Elvis Boamorte e os Boavidas, a Máquina Blues, e o reggae vibrante da Ato Libertário.

A captação do ZONS foi concluída de forma interdependente e parte da pós produção envolve outros profissionais parceiros para editar, tratar o áudio, fazer a correção de cor, etc. Mas para finalizar completamente o projeto é preciso prensar industrialmente o DVD. A prensagem industrial consiste em materializar o arquivo de áudio e vídeo do projeto em mil cópias de DVD em um fábrica fora de Sergipe. Este custo somado à produção das camisas exclusivas com a arte de Duardo Costa, alcança a cifra de R$ 7.700,00.

Para juntar essa grana, o Zons está com um projeto de captação na plataforma virtual Catarse (http://catarse.me/pt/zons). Durante o evento Pocket Zons, a equipe estará com computadores conectados, por meio dos quais o público poderá comprar cotas e fazer o pagamento com cartões de crédito e em espécie.