Uma realidade brasileira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Uma reflexão sobre os rumos que o nascimento está tomando no século XXI
Uma reflexão sobre os rumos que o nascimento está tomando no século XXI

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/09/2013 às 02:31:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

A programação do Cinema de Vitória - Sala Avenida Brasil de 06 a 12 de setembro já está disponível. Entre as estréias da semana, um documentário focado na preocupante realidade obstétrica mundial e, sobretudo, brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias. O filme "O Renascimento do Parto" retrata a grave realidade obstétrica mundial e sobretudo brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias, em contraponto com o que é sabido e recomendado hoje pela ciência.
Tal situação apresenta sérias conseqüências perinatais, psicológicas, sociais, antropológicas e financeiras.

Através dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual, promove-se uma reflexão acerca do novo paradigma do século XXI e sobre o futuro de uma civilização nascida sem os chamados "hormônios do amor", liberados apenas em condições específicas de trabalho de parto.

O filme conta com depoimentos do cientista francês Michel Odent, da antropóloga norte-americana Robbie Davis-Floyd, da parteira mexicana Naoli Vinaver, do ator e diretor de cinema Márcio Garcia e sua esposa, a nutricionista Andréa Santa Rosa.

A causa - Atualmente, o Brasil figura como o país campeão mundial de cesarianas. Em 2010, pela primeira vez, o percentual de cesarianas superou o de partos normais, atingindo 52% do número total de nascimentos do país (hoje, estima-se que esse número esteja em 56%, sendo quase 40% na rede pública e mais de 80% na rede privada).

Em contrapartida, a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda que essa taxa não ultrapasse 15%, sob o risco de graves consequências maternas e perinatais. Esse elevado índice de partos cirúrgicos está associado não apenas à vontade das mulheres, visto que pesquisas recentes demonstram que a maior parte das mulheres desejam ter um parto normal, mas sobretudo à comodidade de todo um sistema médico e financeiro que rege o nascimento. Além disso, diversos mitos colaboram para que as mulheres não queiram ou não consigam ter os seus partos de uma maneira fisiológica e natural.

Para agravar ainda mais a situação, em praticamente todos os partos vaginais ocorrem diversas intervenções perigosas, traumáticas e desnecessárias, demonstrando um grande descompasso entre a prática médica corrente e a medicina baseada nas mais recentes evidências científicas. Infelizmente, nota-se hoje um grande desconhecimento da fisiologia e das necessidades básicas de uma mulher em trabalho de parto, até mesmo entre os profissionais que atendem ao parto, fazendo com que vivamos um momento sem precedentes na história da humanidade, em que os "hormônios do amor" estão se tornando inúteis. Visando uma urgente e necessária mudança de paradigmas, o filme "O Renascimento do Parto" propõe uma reflexão sobre os rumos que o nascimento está tomando no século XXI.