Comando de greve pede que bancários aprovem volta ao trabalho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/10/2013 às 13:16:00

Pedro Peduzzi
Agência Brasil

Brasília - Até segunda-feira (14), os sindicatos dos bancários anunciarão se aceitam ou não a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para terminarem a greve. A paralisação, que completou hoje 23 dias, deverá ser encerrada, caso os sindicatos acatem a orientação do comando nacional de greve. Apesar de satisfeita com a proposta apresentada pelos bancos, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) lamenta a dificuldade nas negociações com bancos privados.
"Com a Fenaban, fizemos uma negociação coletiva que vale para todos bancários do Brasil, abrangendo cláusulas de aspecto mais econômico, e outra específica com cada banco público, onde foram discutidas questões sociais", explicou à Agência Brasil o diretor da Contraf, Ademir Wiederkehr.

O diretor diz que a maior dificuldade de negociação com os bancos privados é histórica. "As conquistas são sempre menores do que com bancos públicos que, ao contrário dos privados, oferecem benefícios, plano de carreira, abono assiduidade de cinco folgas por ano", disse. "Mas agora, na proposta da Fenaban, conseguimos incluir folga abonada de um dia para todos os bancários", acrescentou.

A Fenaban ofereceu reajuste de 8% nos salários e benefícios pagos por todos os bancos, e de 8,5% para os pisos salariais. O valor fixo da regra básica da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) será reajustado em 10%. Segundo cálculo da Fenaban, a parcela paga da PLR ao profissional que ocupe a função de caixa pode chegar a 3,5 salários.

Estão previstos também reajustes do auxilio refeição, que sobe para R$ 463,60 mensais; da cesta alimentação, que passa para R$ 397,36 e do auxílio-creche para R$ 330,71 por filho de até 6 anos.
"A orientação do comando nacional é de aceitação da proposta, que traz avanços econômicos e sociais, aumento real da renda dos bancários, valorização do piso e melhores condições de trabalho. Contabilizaremos, com ela, dez anos consecutivos de reajustes com ganhos reais de salários", disse o diretor da Contraf.