MADRUGADA A DENTRO NA UNDÉCIMA HORA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 02/07/2012 às 10:01:00

Noite a  dentro,  passava quase da sexta-feira para o sábado, e persistia um alongado impasse. Era preciso definir,  pois já escasseava o tempo, e as convenções batiam às portas. Num local, o deputado federal André Moura já nem conseguia salivar,  de tanto usar as cordas vocais diante de um interlocutor que aparentava sintomas de surdez e mudez momentâneas. Era o ex-governador João Alves, que hesitava em dar respostas  sobre uma coligação com o grupo dos Amorim.  

O receio de João seria encontrar depois, dentro da sua própria casa, um  irrespirável clima de antagonismo. Quando o deputado federal Mendonça Prado vergastou , até com excessiva adjetivação, o  empresário Edivan  Amorim, parecia tentar exteriorizar um sentimento que não era somente  o seu, mas se estendia  pela família do sogro, inclusive no seu núcleo mais influente e decisivo que é o representado pela senadora  Maria do Carmo.

João vivia o dilema: facilitar sua candidatura à Prefeitura de Aracaju , aceitando a proposta dos Amorins e tornar-se malquisto dentro da própria casa, ou rejeitar o entendimento proposto pelo ex- genro,  e disputar quase sozinho uma eleição,  absolutamente confiante na manutenção do patamar de vantagem em que as pesquisas o colocam, tudo isso,  entre sorrisos da esposa Maria do  Carmo, do genro Mendonça Prado e das duas filhas.

O filho, João Neto,  não parece mais entusiasmado por  assuntos políticos,  e  com eles preferiria agora não ter mais qualquer envolvimento.
Enquanto num local   o  exaustivo sacrifício verbal do deputado André Moura não evoluía  para qualquer conclusão, em outro, o senador Eduardo Amorim e o seu irmão Edivan  aguardavam a resposta de  André, sem disfarces para a ansiedade que os dominavam. 

Num terceiro ponto, onde a expectativa já se tornava estressante,  estavam os deputados estaduais Venâncio Fonseca e Augusto Bezerra. Venâncio, lançado ao  olho do furacão quando o quiseram transformar em candidato para enfrentar o homem a quem nos últimos anos só tem  defendido, queria uma resposta sobre os insistentes convites que recebera para disputar a prefeitura de Aracaju, com o respaldo do aparato vistoso de partidos comandados por Edivan.  

Antes, Venâncio  até andou fazendo alguns comentários com amigos mais próximos, mais ou menos nesse tom: ¨O  Negão já se considera prefeito e começou a andar de salto alto¨. Havia mágoas, evidentemente, porque Venâncio, considera-se,  aliás com sobra de razão, merecedor de um convite para tornar-se vice de João,  entendendo que José Carlos Machado  tem méritos . mas não deveria ser o único previamente ungido. 

Na verdade, Venâncio nunca chegou  mesmo a imaginar-se enfrentando João em  palanque adversário.  Em relação aos últimos episódios  sentiu-se usado,   para ser, depois, rapidamente descartado. Não deve ser agradável para ninguém a sensação incômoda de  imaginar-se  manipulado e sucateado.   No deputado Venâncio é impossível detectar qualquer traço de ingenuidade.  Ele é político experimentado,  coerente nas suas posições. Venancinho,  como o chama carinhosamente o irmão mais velho,  Cleonâncio, aprendeu atentamente, desde criança, os ensinamentos que o fizeram  detentor privilegiado de habilidades reservadas àqueles poucos políticos que conseguiram chegar ao nível mais  alto das técnicas do pulo do gato.  

Os que a dominam, a ninguém querem- nas transmitir.  Cleonâncio é,  dessas técnicas,  um  professor emérito. Ele disputou e venceu sucessivas eleições durante quase cinquenta anos.  Agora,  sem mandato , se mantem calado, e não emite opinião sobre os últimos episódios envolvendo seu irmão.

Venâncio, ao terminar a noite de sexta-feira, esperava  receber dos irmãos Amorim uma explicação plausível a respeito dos últimos acontecimentos que alçaram o tempestuoso Almeida Lima à condição de acomodado reserva,  sentado no seu banco,  esperançosamente,  à espera do fracasso da missão atribuída ao deputado federal André Moura, para então poder tornar-se, como recurso derradeiro, depois de fracassadas todas as alternativas, o candidato à prefeitura de Aracaju,  juntando o seu contrafeito e ressabiado PPS ao pacote recheado de legendas à disposição do grupo Amorim.