Terceirizados do IFS ainda aguardam pagamento

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/10/2013 às 03:12:00

Os funcionários terceirizados do campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de  Sergipe (IFS) na cidade de São Cristóvão ainda não receberam os salários de setembro.

Na semana passada, os trabalhadores realizaram um ato público no campus denunciando o atraso salarial e a falta de pagamento de tíquetes-alimentação e vale-transporte. Eles prestam serviço no campus através da empresa Contrate Gestão Empresarial Ltda, localizada na cidade de Salvador.

Após os protestos, a empresa garantiu que regularizaria a situação até terça-feira, mas de acordo com a direção do Sindicato dos Empregados de Condomínio, Limpeza Urbana e em Empresas de Asseio e Conservação do Estado de Sergipe (Sindecese) até agora só foram pagos somente tíquete e vale-transporte.  
"Se o pagamento do salário não for feito até quinta-feira, faremos um ato público às 7h no campus e paralisaremos as atividades por tempo indeterminado. Também queremos a garantia da continuidade da regularização dos salários", informa Rayvanderson Fernandes, dirigente do Sindecese.    

De acordo com o sindicato, são 39 trabalhadores sendo prejudicados com a situação. A categoria paralisou as atividades na última sexta-feira, 18, e realizou uma manifestação de advertência em frente ao prédio do IFS cobrando a regularização dos pagamentos. Os trabalhadores realizam serviços de manutenção e limpeza na unidade, atividades que ficarão comprometidas caso a empresa não sane as dívidas com os funcionários.

O sindicato protocolou oficio na justiça do trabalho com o objetivo de buscar uma intermediação que garanta a regularização e continuidade do pagamento das obrigações trabalhistas. "Os atrasos têm sido constantes", reclama Rayvanderson. Na manhã de ontem, a categoria realizou assembleia para discutir o assunto.
O contrato com a empresa já tem cinco anos, sendo esta a primeira vez que o pagamento vem sofrendo atrasos. A empresa alega dificuldades, o que ocasionou problemas ao longo de dois meses.