Athneu abriga abertura do 2º Sercine

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/07/2012 às 16:04:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

Fruto das carências que ainda desaconselham a produção cultural aqui na terrinha, o Festival Sergipe de Audiovisual (Sercine) não pretendia mais do que oferecer um pretexto para o impulso realizador adormecido atrás das lentes. Desde o ano passado, quando cometeu a ousadia de desafiar os percalços, no entanto, acabou movimentando o conjunto de uma cena jovem e inquieta, prenhe de uma ambição sem tamanho, formada por músicos, artistas plásticos e até mesmo cineastas. Em sua segunda edição, o Sercine mais uma vez privilegia a sétima arte, mas segue fiel ao princípio de aproximar tudo quanto é bicho criativo, indiferente a fronteiras e segmentos.
Hoje à noite, por exemplo, quando o teatro Atheneu abriga a abertura do 2º Sercine, estão programadas a exibição do longa-metragem Mãe e Filha, de Petrus Cariry, e pocket show da Oganjah. Na semana passada, contudo, o festival já tinha promovido a exposição 'Anotações para um roteiro', de Fábio Sampaio, e assim será até o próximo dia 07, quando será realizada a cerimônia de encerramento do festival.
O filme - Segundo longa de Petrus (o primeiro, "O Grão", foi muito elogiado), Mãe e filha narra a história de uma mulher que viaja para o sertão para reencontrar sua mãe, trazendo, também, seu filho natimorto. Na verdade, falar a fundo de uma "sinopse" para "Mãe e Filha" é um erro, pois é um filme que se importa mais, na verdade, com o que está oculto na relação entre as personagens-título, mergulhando menos na linearidade e mais nas sensações que movem as personagens.
Cinema de atmosfera, que retira do silêncio, dos mínimos sons e dos espaços, e dos fantasmas (memórias, perdas) que os habitam. "Mãe e Filha" também dialoga muito com algumas características bastante presentes em cineastas contemporâneos, remetendo, por exemplo, ao tailandês Apichatpong Weerasethakul (não tentem pronunciar o nome) ou do argentino Lisandro Alonso (para ficar em um nome mais conhecido: também pode agradar a quem gosta de Terrence Malick), mas é uma obra, é claro, com brilho e intensidade própria.

Abertura do 2º Sercine:

Local: Teatro Atheneu
Data: 03 de julho
Hora: A partir das 20 horas