Eduardo Campos é cidadão sergipano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/11/2013 às 10:37:00

Em sessão especial realizada na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), o governador do Estado de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), foi contemplado na tarde de ontem com o Título de Cidadão Sergipano, uma das homenagens de maior representatividade na casa legislativa. Ao chegar à Alese, Eduardo foi recepcionado pelo governador em exercício de Sergipe, Jackson Barreto (PMDB); pelo senador Eduardo Amorim (PSC); pelo prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM); e pelo deputado estadual Venâncio Fonseca (PP), autor do projeto de concessão do título. Durante o seu discurso na tribuna, o pernambucano agradeceu o reconhecimento e aproveitou para saudar, mesmo não estando presente, o governador licenciado Marcelo Déda (PT).

Diante da presença de prefeitos, deputados e imprensa, Campos, também presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro e possível candidato a presidente da república nas eleições do próximo ano, disse lamentar um possível retrocesso na economia e desenvolvimento igualitário no Brasil, e que pretende, caso eleito, atender aos pleitos que os brasileiros exigiram durante a série de manifestações realizada nos últimos meses de junho e julho. Sem citar as 'promissoras' alianças para 2014, no âmbito regional e nacional, o mais novo cidadão sergipano alegou ter rompido recentemente com o Governo Dilma Rousseff (PT) com o propósito de dar início a uma nova era administrativa no país.

"Agradeço a todos pela atenção e homenagem que me foi concedida e aproveito esse momento para mandar meus verdadeiros cumprimentos a Déda que é um homem que honra seu estado e muito nos ensina. Fico feliz em receber esse título. Essa atitude de vocês me deu mais força para que possa seguir em frente e ter a certeza que posso contar com meus, agora conterrâneos, amigos sergipanos", declarou. Dividindo a bancada com aliados e opositores ao seu partido, Eduardo foi questionado pelo Jornal do Dia sobre a receptividade calorosa recebida pelos sergipanos assim que desembarcou. Satisfeito com a situação ímpar vivenciada na menor unidade federativa do Brasil, ele preferiu 'não se comprometer' e disse: "Está aqui uma sensacional prova que a nossa democracia está acima de qualquer poder público ou partidário. Antes do PSB ser opositor a Amorim e João Alves aqui em Sergipe, eu sou amigo deles assim como sou de Jackson e Valadares. Estamos juntos em busca de um só objetivo, destinar uma melhor qualidade de vida ao povo brasileiro, em especial do nosso querido Nordeste". Após ser apresentado por Venâncio Fonseca, o projeto da concessão do título foi a votação e aprovado de forma unânime pelos demais parlamentares estaduais.

Para Eduardo Amorim, o trabalho desenvolvido por Campos ao longo dos últimos dez anos o fez ser homenageado em Sergipe com o apoio integral da Alese. "Fico feliz em poder participar dessa solenidade que homenageia um amigo meu, e antes disso, um nordestino nato que conhece os nossos problemas e não mede esforços para resolvê-los. Independente de partido político, hoje estamos mais uma vez nesta casa para saudar o mais novo pernambucano com reconhecimento dos sergipanos", comentou. Compartilhando com as declarações do senador, Jackson Barreto parabenizou Eduardo pela imparcialidade nas palavras e pela lembrança do governador Marcelo Déda. "Não poderia deixar de comparecer a essa solenidade em virtude da importância que ele tem para o desenvolvimento do nosso país. Eduardo Campos é símbolo de administrador público que preza pelo desenvolvimento do nosso povo, assim como bem citou o trabalho do também sergipano, Déda", disse.

Após a sessão especial ter sido encerrada, o homenageado voltou a conversar com a imprensa e responder alguns questionamentos. Para ele, a solenidade desta sexta-feira, 22, não se caracterizou numa atividade com cunho eleitoral. "Se for do entendimento do nosso grupo, certamente devo voltar a esse estado querido para aí sim subir no palanque e pedir o voto dos sergipanos, sempre dentro do que permite a Justiça Eleitoral. Hoje é dia de rever amigos e apenas comemorar o título", pontuou.