Vereador Iran cobra respeito ambiental na obra da 13 de Julho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/11/2013 às 10:22:00

O vereador e professor Iran Barbosa (PT) usou ontem a tribuna da Câmara Municipal de Aracaju para trazer uma reflexão sobre a necessidade de avanços na gestão administrativa, no tocante à engenharia utilizada nas obras públicas. Para Iran, durante muito tempo prevaleceu o modelo de grandes obras feitas a partir de decisões apenas da engenharia.

Mas para o parlamentar é preciso associar a este modelo, que considera ultrapassado, o conceito ambiental, que é uma conquista de direito mais recente na história da humanidade.
"Entendendo que a discussão que está sendo feita com relação às obras na 13 de Julho, precisa levar em consideração os dois aspectos: o da engenharia e o do meio ambiente", disse.

Segundo o petista, houve um tempo em que administradores, em Aracaju e no estado de Sergipe, achavam que dar resposta às demandas da população era executar grandes obras de engenharia e grandes construções.
"Isso respondeu, num determinado momento, às necessidades da população. Mas o grande desafio que temos que responder hoje é tentar somar, de forma adequada, as respostas às necessidade da população com obras, com construções, com engenharia, atendendo também às preocupações ambientais, respeitando a questão do direito ambiental", ressaltou.

Para Iran, as obras da Praia 13 de Julho precisam ir nesta linha, da resposta da engenharia sem abrir mão da preocupação ambiental. Com esta equação solucionada, o vereador acredita que é possível dar respostas às demandas sociais naquela área com garantia da preservação ambiental, respondendo à questão de segurança e de mobilidade urbana sem avançar para a criação de outros problemas no futuro, por causa de impactos ambientais mal estudados e não previstos.

"Já vivenciamos situações desse tipo aqui mesmo na nossa cidade, com obras de engenharia que foram muito elogiadas em determinado momento, mas que a natureza depois veio cobrar o seu preço e o seu espaço. É preciso sempre ter cautela e sensibilidade com relação a essas obras", disse, remetendo à criação do bairro Coroa do Meio.
Para o petista, o papel que tem a recém-criada Secretaria Municipal de Meio Ambiente é o de exatamente dialogar com os setores da área de infraestrutura e de engenharia do governo municipal para preservar, na hora da execução de obras, os aspectos ambientais.

"Se esquecermos disso, estamos fadados a cometer erros que já foram cometidos no passado. E quando repetimos os erros, é sintoma de ignorância. Gostaria é que acertássemos", enfatizou.