Fio de Ariadne

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/12/2013 às 03:01:00

* Paiva Netto

Sempre que possível, gosto de compartilhar com os leitores a experiência vivenciada por pessoas de todos os setores do saber.
Exemplificando que a Boa Vontade é o elo de sapiência que nos une como Seres Espirituais e Terrenos - porque a Vida na Terra começa no Céu-, exponho em meus livros o pensamento de tanta gente dos múltiplos redis, porquanto existe entre nós um fio de Ariadne. Este, se fielmente observado, nos livra da terrível escuridão da caverna do insaciável Minotauro, da ilha de Creta da submissão e do sacrifício humano, conduzindo-nos até à claridade que nos liberta do cativeiro da ignorância que, de uma forma ou de outra, a todos oprime.
Segundo a mitologia grega, Ariadne, filha do Rei Minos, salvou seu amado, Teseu, com um novelo de linha que o conduziu para fora do labirinto.
Mas, prosseguindo com a analogia, essa providência de Ariadne é o Novo Mandamento de Jesus - "Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei" - a respeito do qual eu já disse ser o fio milagroso que une as partes anacronicamente separadas do organismo sociedade.
Aprecio por demais inteirar-me da contribuição que as criaturas têm a oferecer, e os livros são fonte inesgotável de aprendizado. Em minha biblioteca, zelo pela preservação de cada volume, principalmente os que me foram dedicados por ilustres escritores.  

FERNANDA TORRES
Recentemente, conforme destacou o jornalista Luiz Carlos Lourenço em seu blog, uma chuva de estrelas caiu sobre o Leblon, no Rio de Janeiro/RJ, para prestigiar o lançamento de "Fim", primeiro livro da atriz e colunista Fernanda Torres. Fernanda Montenegro e o saudoso Fernando Torres (1927-2008), seus pais, têm muito do que se orgulhar.
Agradeço a gentileza da autora pelas palavras que me escreveu: "José caríssimo, espero que você goste dos meus velhos. Beijos". Fernanda Torres ainda teve a sensibilidade de ilustrar a dedicatória com uma paisagem carioca: o mar e o Pão de Açúcar.

BONI & AMARAL
Outro trabalho que acabo de receber vem do publicitário José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, e do empresário Ricardo Amaral. Eles lançaram "Boni & Amaral - Guia dos Guias". A qualidade, quando se fala em gastronomia mundial, é o que pauta as recomendações da obra. Deixo aqui o meu agradecimento pelos autógrafos dos autores: "Ao querido Paiva Netto, com a amizade do Boni"; e "Grande Paiva Netto, abração, Ricardo".

PADRE FÁBIO DE MELO
"Onde houver um ser humano realizado, nele Deus estará revelado. Queiramos isso. Sempre. Até o fim. O fim que nunca tem fim." Essa clara consciência do propósito da vida está na obra do padre Fábio de Melo, "Quem me roubou de mim?". Grato ao nosso amigo pela dedicatória: "Ao grande Paiva Netto, permaneçamos unidos! Com carinho, Fábio de Melo".

* José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.br - www.boavontade.com