Presidentes de TREs pedem interlocução de Sarney para evitar greve de servidores da Justiça Eleitoral

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/07/2012 às 15:35:00

Danilo Macedo
Agência Brasil

Brasília - Preocupado com a possibilidade de paralisação dos servidores da Justiça Eleitoral, que reivindicam a revisão do plano de cargos e salários, o desembargador Marco Villas Boas, que preside o Colégio de Presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), se reuniu ontem com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Ele pediu que Sarney atue como interlocutor na busca de uma solução rápida para a demanda dos servidores. A proposta orçamentária do Judiciário enviada ao Congresso preveria os recursos para o atendimento da reivindicação.

O desembargador teme que a greve, prevista para amanhã (4) e quinta-feira (5), últimos dias de registro dos candidatos às eleições municipais, atrapalhe o processo de requerimento de candidaturas para as eleições de outubro deste ano.

"Temos conversado com os servidores para que evitem qualquer paralisação ou qualquer greve e que isso não resulte em prejuízo para os registros de candidatura e início do processo eleitoral, porque o que está em jogo é a soberania e a representação popular e, enfim, a democracia, que precisa ser fortalecida neste país", disse Villas Boas, que também estava acompanhado de vários presidentes de TREs.
Apesar da preocupação, o desembargador disse que o Judiciário está preparado para "evitar que haja dano ao processo democrático". "Nós estamos estudando várias estratégias para que isso não resulte em prejuízos aos registros de candidaturas, nem que tenhamos que fazer sacrifícios nas cortes eleitorais, como requisitar servidores estaduais", declarou.