Sem mudar quadro, Goretti deixa a Secretaria de Saúde de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/01/2014 às 14:22:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

O prefeito João Alves Filho deve anunciar nos próximos dias o nome do novo secretário de Saúde da capital sergipana. Ontem, Goretti Reis deixou o cargo para reassumir sua vaga como deputada estadual na Assembleia Legislativa e assim ter a possibilidade de tentar a reeleição no pleito de outubro deste ano. A ação da secretária chegou a ser criticada pelo vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB), para quem a "Saúde não mudou nada desde a sua chegada à PMA"
Goretti ficou no cargo apenas um ano. Para falar do seu trabalho à frente da pasta durante o período, reuniu ontem a imprensa sergipana. Ela iniciou explicando porque estava deixando a pasta. "Como pré-candidata a deputada estadual eu preciso fazer as minhas visitas nas cidades do interior, às lideranças, trabalho que vinha realizando apenas nos finais de semana", colocou.

Ela também assegurou que tinha a certeza de dever cumprido junto à saúde aracajuana. "A equipe foi muito unida, tive liberdade por parte do prefeito de escolher os meus diretores, todos foram indicações minhas. Eu não saí por fogo amigo, me dou por satisfeita e os relatórios dizem isso".

Sobre a possibilidade de greve dos agentes de saúde, que realizaram ato de reivindicação por melhorias para a categoria, Goretti lembrou que os agentes obtiveram uma vitória ao incorporar um incentivo de R$ 950 do Ministério da Saúde ao salário. "Tivemos outros avanços, a exemplo da aprovação da lei que autoriza o repasse do incentivo para compra dos fardamentos que os agentes vão receber a partir de janeiro. Também vamos disponibilizar tablets a partir de fevereiro para dinamizar o trabalho de coleta das informações", destacou.

Questionada sobre a atual crise na saúde do Estado e mais precisamente a que envolve a paralisação dos anestesistas do Hospital Cirurgia, que suspenderam a realização de procedimentos cirúrgicos na última segunda-feira (13), Goretti foi enfática ao dizer que estes problemas estão sendo gerados pela dívida do Estado para com o município e que este descaso não é de responsabilidade da secretária Joélia Santos, mas sim de gestões anteriores. "Se o Estado fizer o repasse da dívida que tem com o Município, que hoje está em cerca de R$ 19 milhões, acredito que nós conseguiremos sanar todas as pendências que temos na rede e será possível fazer os investimentos na estrutura e nos contratos para melhorar a oferta de serviços", concluiu.

Dengue - Com a possibilidade de greve dos agentes de saúde, a gerente do Núcleo de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde, Sidney Sá, informou que o Estado conta com uma brigada estadual de combate a dengue para dar assistência aos municípios que por sua vez precisarem do trabalho. "A brigada está acionada caso Aracaju necessite e já estamos aplicando o UVB, conhecido como fumacê, em alguns bairros aracajuanos, já prevendo o verão, não deixar a população desassistida. A ação é complementar ao que o município já realiza. Estamos preparados para qualquer situação, inclusive a paralisação dos agentes", garantiu.

Entre os meses de janeiro e setembro de 2013 foram notificados 1.845 casos de dengue em Sergipe. Desse total, 357 foram confirmados sendo que, quatro casos foram de dengue grave e dois óbitos. Essa incidência foi menor do que a obtida entre todo o ano de 2012 no Estado, quando houve a notificação de 11.192 casos, com a confirmação de 4.095, sendo 42 casos de dengue grave e três óbitos.