Casas do PAC são vendidas a R$ 20 mil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/07/2012 às 16:04:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

Novas denúncias dão conta que casas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estão sendo vendidas e alugadas por beneficiários dos imóveis. A denúncia envolve as casas do bairro 17 de março.
Segundo os moradores, algumas pessoas que residem no local estão comercializando suas residências. Há denúncias de que os imóveis são vendidos por de R$ 20 mil, mas pelas casas de esquina os proprietários cobram um pouco mais, chegando muitas vezes a um valor de R$ 30 mil a R$ 35 mil. As placas estão nas frentes das casas para qualquer um ver, nada está sendo realizado às escondidas.

Na grande maioria, os imóveis possuem sala, dois quartos, banheiro, cozinha e área de serviço, um total em 54,18 m² de área construída. Além disso, os imóveis foram entregues completos com toda a infraestrutura, água, luz e saneamento básico. Os apartamentos possuem até gás canalizado. O bairro 17 de Março conta hoje com mais de 2.200 moradias.

Relatos - A equipe de reportagem do Jornal do Dia conseguiu conversar com um homem que não quis se identificar, mas contou que morava no local porque o irmão que é guarda municipal, ganhou o apartamento no 17 de março. "Como ele ficou com medo que alguém invadisse ou que alguma fiscalização estivesse aqui e não encontrasse ninguém, me pediu para ficar no apartamento. Como ele já possui casa própria não precisa morar aqui", relatou.

Outra moradora do bairro contou que as vendas e aluguéis acontecem normalmente. A maioria das pessoas que ganharam casa no bairro 17 de Março tem uma boa renda mensal e residência própria. "Muitos alugaram suas casas próprias e foram se alojar em barracos para receberem benefícios do governo", denunciou.

A Prefeitura de Aracaju ainda não se pronunciou sobre o assunto. Na assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania a informação é que o caso estava sendo resolvido pela Procuradoria Geral do Município. Na Secretaria Municipal de Comunicação, a informação é que o secretário Bosco Rolemberg é que falaria sobre o assunto. Após muita insistência, o secretário não atendeu a equipe de reportagem, porque estava em reunião que durou toda a tarde de ontem.