Rodoviários registram 77 assaltos a ônibus

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/02/2014 às 00:06:00

Os rodoviários que trabalham no sistema de transporte da capital e na região da Grande Aracaju registraram até ontem 77 assaltos a ônibus.

Segundo Miguel Belarmino da Paixão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Município de Aracaju (Sinttra), mesmo com reforço de ações de segurança nos terminais de integração e aumento de abordagens policiais, os casos não estão diminuindo. "Se continuar assim, fevereiro vai superar a quantidade de ocorrência no mês passado, quando foram registrados 97 casos. Reconhecemos o esforço da polícia, mas infelizmente as ações ainda são tímidas", comenta.

No dia 20 de março, a categoria volta a se reunir com a cúpula da Secretaria de Segurança Pública, Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) e Sindicato das Empresas do Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp) para avaliar o plano de ações traçado no dia 13 de fevereiro, quando o grupo discutiu conjuntamente aplicação de medidas de segurança contra assaltos nos ônibus.
Miguel Belarmino ressaltou que além da presença policial nas ruas, é necessária uma reavaliação da justiça sobre a recorrente liberação de presos que livres voltam a prática de roubos e furtos dentro do transporte coletivo.

De acordo com informações do presidente do Sinttra, a quantidade de assaltos no sistema de transporte coletivo é uma média de 3,5 por dia. "No último domingo houve um assalto dentro do terminal da zona oeste, às 15h. Levaram R$ 170,00", relata. A situação de insegurança é um dos pontos que os rodoviários estão discutindo com os donos de empresas de ônibus na campanha salarial que teve inicio neste mês.

Ele destacou que a falta de condições de trabalho é uma das pautas prioritárias dos rodoviários, que também reivindicam um reajuste salarial de 16%. A categoria já marcou a assembleia para o dia 13 de março para discutir encaminhamentos que viabilizem pleitos como 20% de tíquete-alimentação, pagamento de hora extra, custeio de 95% por parte das empresas para o plano de saúde, jornada de 6 horas de trabalho, estabilidade no emprego para funcionários com tempo de dois anos para completar a aposentadoria, construção de banheiros e instalação de espaços apropriados para repouso e local de refeições, além de outros direitos trabalhistas.
De acordo com Miguel Belarmino, a campanha de mobilização se estende ate 31 de março, quando ocorre a data-base da categoria. Ele informou que as empresas condicionaram o aumento salarial dos rodoviários ao reajuste da passagem de ônibus. "Até agora não recebemos nenhuma proposta de mudança salarial", informa.