A solidão da árvore sem sombra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/03/2014 às 10:47:00

* Rangel Alves da Costa

Dizem que certa feita um menino perguntou a um viajante por que ninguém era avistado descansando debaixo de uma velha árvore logo adiante, esta sempre solitária, com poucos galhos e quase sem folhas. E o homem respondeu que as pessoas a evitavam não pelo fato de ser tão desnuda e afastada das demais, mas pela sombra que não podia oferecer aos que sempre desejam abrigo e proteção.
Acrescentou que assim como as pessoas preferem admirar o belo ao desvalido, elegem no olhar o luxo ao empobrecido, do mesmo modo ocorre com a árvore de grande copa sombreada frente àquela toda nua no meio do tempo. O bicho do mato descansa e o homem chega a sonhar debaixo das folhagens tantas de uma jaqueira, mas ninguém avista qualquer vulto debaixo de uma catingueira magra e ossuda.
Mas a sombra e sua ausência remetem a considerações ainda maiores. Estar à sombra significa estar resguardado, protegido, afastado de situações desconfortáveis. Estar à sombra expressa fuga e busca de uma realidade melhor. Contudo, estar sem o manto sombreado não significa apenas a desproteção, a ter de suportar as intempéries. Mas principalmente reconhecer quanta importância se dá aquilo que abriga em determinado momento e quanta desvalorização é imposta ao que não pode oferecer a mesma proteção.    
E desde então o menino guardou na memória a visão daquela árvore tão solitária e rejeitada pela carência de sombra se derramando ao redor, esquecida em meio às outras árvores, relegada à condição daquilo que igualmente existe, porém sem o devido reconhecimento de sua existência. Apenas um tronco no esquecimento e abandono dos tempos. E imaginava quanto injusto era uma árvore ser assim ignorada somente porque não tinha galhagens fartas, folhagens abundantes e verdadeiros leitos de acolhimento ao redor do seu tronco.
Mas aos poucos foi vendo a situação de forma diferente e compreendendo o verdadeiro significado da solidão da árvore sem sombra. E no seu entendimento, a árvore não era somente a planta, um tronco lenhoso, um pé de pau no meio da mataria ou do descampado, mas também algo como uma existência humana. Desse modo, a árvore era o próprio homem perante o olhar do outro que sempre deseja encontrar uma sombra boa e acolhedora, importante e protetora.
Nesse passo, se a árvore é o homem, a sua sombra seria uma espécie de reflexo de sua importância e também uma emanação do poder de ter diante de si, debaixo de seu véu sombreado, todos aqueles que tudo fazem para estar abrigados sob o manto protetor da opulência. E tal opulência, crescida na seiva da riqueza e da influência, é facilmente avistada nas galhagens grossas, folhas grandes e vistosas, nos frutos por todo lugar. E numa árvore assim, tão humana como o próprio homem, a sombra sempre será avistada e desejada.
E tão abundante que não falta quem esteja por ali procurando aconchego. Perante o que tem farto sombreado e o que está exposto ao sol e à chuva, dificilmente alguém procura se abrigar debaixo de braços nus. Parece instintiva a busca de fácil abrigo. Tornou-se natural ao homem correr para os braços daquele que imagina com sombra suficiente para fazê-lo protegido diante das ameaças e livrá-lo das situações inesperadas.
E assim acontece para cumprir as lições contidas em velhos ditados: Pau que não dá sombra não serve nem pra amarrar burro brabo; pau sem sombra é madeira de lenha; pau que não dá sombra morre esturricado e abandonado. Ora, ninguém valoriza a árvore desfolhada; ninguém senta debaixo da árvore raquítica, esquelética; ninguém ali se deita para olhar para cima. Diferente ocorre quando o sombreado se estende de lado a outro.
Eis o homem no lugar da grande árvore, daquele tronco imponente com poderes de chamar ao seu redor verdadeiras multidões, com a facilidade de ter a seu jugo pessoas nascidas para viver acostadas aos privilégios dos outros. O homem com sombra, pois com poder e riqueza; homem com sombreado, pois com imensa influência no meio onde está fincado. E tantos e mais tantos verdadeiramente sentem-se poderosos demais por fingir abrigar sob sua copa uma leva imensa de fracassados.
Até que esta árvore humana dá abrigo no primeiro instante, parece refrescar, acolher e dar proteção aos que chegam ao seu costado. Até que esta árvore pode influenciar diante de uma ou outra necessidade. Mas somente até o instante que perceber que o indivíduo confia demais no seu falso sombreado. Então o torna tão submisso ao falso manto que mesmo ao sol vai achar que continua protegido. E dessa submissão o uso para satisfação de interesses próprios, escusos, eleitoreiros.
Enquanto isso a outra árvore sem sombra continua solitária, esquecida e abandonada. Não tem o falso manto protetor da outra, por isso mesmo rejeitada. Igual ao ser humano tido como insignificante, vai aprendendo a se valorizar pelo que possui. E se um passarinho ali faz um ninho não será derrubado pelos que apaixonadamente disputam espaço à sua sombra.

* Rangel Alves da Costa é advogado e escritor
blograngel-sertao.blogspot.com