Sábado, 13 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE
Publicidade

Ministério Público pede interdição parcial da 4ª DM


Avatar

Publicado em 20 de junho de 2012
Por Jornal Do Dia


Presos na cela da carceragem da 4ª DM, considerada "insustentável" pelo MPE e pelo CNJ

Uma nova recomendação enviada pelo Ministério Público Estadual (MPE) à Secretaria da Segurança Pública (SSP) pediu a interdição parcial da 4ª Delegacia Metropolitana (Cj. Augusto Franco), que enfrenta problemas de estrutura. O documento foi expedido pelos promotores Jarbas Adelino Santos Junior e João Rodrigues Neto, curadores do Controle Externo da Atividade Policial, que pedem medidas administrativas imediatas para enfrentar os problemas de superlotação, falta de higiene e falta do banho-de-sol para os detentos. Na unidade, três celas são divididas por 31 detentos.
No documento, os promotores pedem que a SSP decrete a interdição parcial da carceragem, de modo que, na 4ª DM, não fiquem mais de 20 presos por vez, nem que lá fiquem por prazo superior a 30 dias. Outra orientação é de que a Autoridade Policial viabilize os banhos de sol, uma das medidas de efetivação do postulado da dignidade da pessoa humana. Um prazo de 15 dias foi concedido pelo MPE para o cumprimento das recomendações. Caso isso não seja cumprido, os promotores prometem mover uma Ação Civil Pública contra o Estado.  
De acordo com o que foi apurado, inclusive por meio de inspeções realizadas pelo MPE, diversos problemas afetam aquela unidade policial. Um longo relatório aponta falta de condições físicas e humanas para o adequado funcionamento da 4ª DM. Há também referências ao "crítico tratamento dispensado aos presos nos xadrezes, superlotação carcerária, falta de estrutura das celas e falta de segurança". Constatou-se até mesmo privação aos banhos de sol aos finais de semana.
Nas duas últimas inspeções realizadas pelo MP, notou-se um crescimento considerável do número de custodiados. Mesmo com a disponibilização de mais um cela – iniciativa da própria delegada ao desocupar uma sala que servia de depósito para objetos apreendidos – o quadro permanece bastante delicado. Quanto ao fato de não haver o banho de sol, por exemplo, foi informado que o número de policiais, nos finais de semana, é insuficiente para a execução de um procedimento seguro. Além disso, os presos são, muitas vezes, obrigados a dormir no chão e ficar alguns dias sem tomar banho.
A mesma situação foi constatada em fevereiro deste ano, durante uma inspeção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nos presídios sergipanos, quando a delegacia foi considerada uma das mais problemáticas. Na ocasião, a juíza paulista Ivana David, responsável pela inspeção, também se manifestou pela interdição da carceragem da 4ª DM, afirmando que a situação dela era "insustentável".
Segundo os promotores públicos, a Lei Nº 7210/84 (Lei de Execuções Penais), que determina regras e condições mínimas de encarceramento nos estabelecimentos prisionais, também se estende ao preso provisório. Eles alegam também que a situação atrapalha os trabalhos de investigação e dos inquéritos da 4ª DM, que é responsável pelos bairros da Zona de Expansão e de parte da zona sul da capital.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade