Terça, 16 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE


A 40ª Conferência Geral da UNESCO


Avatar

Publicado em 01 de dezembro de 2019
Por Jornal Do Dia


 

A Conferência Geral 
da Organização das 
Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reúne todos os 193 Estados Membros da uma vez a cada dois anos. Referida conferência UNESCO é mais uma vez um local para conversas globais. Os participantes incluíram: 14 Chefes de Estado e de Governo, 100 ministros de educação, 122 ministros da cultura, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, o Presidente da Assembléia Geral das Nações Unidas, Tijjani Muhammad-Bande, o Presidente do país anfitrião, França, Emmanuel Macron.
Destas questões, a educação está no topo da lista de prioridades para os Estados Membros e a UNESCO é a responsável por coordenar as ações da comunidade internacional para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS 4) , educação de qualidade para todos. Ele transforma esse objetivo ambicioso em idéias, ações e leis.
Nos últimos meses, a UNESCO intensificou seu trabalho para coordenar atores internacionais no campo da educação através de eventos importantes: a Reunião de Ministros da Educação do G7 em julho na UNESCO e o Comitê Gestor do ODS4 durante a Conferência Geral.
A UNESCO começou a se concentrar no futuro, lançando a importante iniciativa "O Futuro da Educação". O processo de consulta começou após o lançamento da iniciativa na Assembléia Geral das Nações Unidas no final de setembro. Uma comissão internacional, reunindo especialistas de vários campos e regiões do mundo, foi criada sob a liderança de Sahle-Work Zewde, presidente da Etiópia. A Comissão produzirá um relatório global sobre o futuro da educação em novembro de 2021.
Lançou outras iniciativas importantes: Sua Educação, Nosso Futuro foi lançada na Cúpula do G7 em julho, na presença da ganhadora do Prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai e do presidente francês Emmanuel Macron. Esta iniciativa tem como objetivo coletar dados confiáveis, com vistas a tomar ações efetivas para apoiar a igualdade de gênero na e através da educação; melhorar estruturas legais e políticas e planos para promover direitos; e implementar melhores práticas de ensino e aprendizagem.
Duas iniciativas educacionais produziram resultados durante esta Conferência Geral: A Convenção Global sobre o Reconhecimento das Qualificações do Ensino Superior, que é o culminar de esforços de longo prazo em favor de um ensino superior mais justo e transparente.  A convenção apoiará o reconhecimento de estudos realizados no exterior, facilitando a mobilidade acadêmica de estudantes e professores. Na prática, este texto garantirá que as competências de migrantes e refugiados sejam reconhecidas e que elas possam acessar o ensino superior, removendo um grande obstáculo jurídico. Esta convenção entrará em vigor após ser ratificada por 20 países. Apoiará a mobilidade acadêmica inter-regional e a implementação de princípios universais para o reconhecimento de qualificações. Ele se baseará nas cinco convenções regionais da UNESCO sobre o reconhecimento das qualificações do ensino superior.
Os refugiados também se beneficiarão da segunda grande conquista da Conferência Geral no campo da educação e ensino superior: o Passaporte de Qualificações para Refugiados e Migrantes Vulneráveis , que está atualmente sendo testado na Zâmbia. Os resultados iniciais são extremamente encorajadores e mostram como esses tipos de ferramentas legais podem melhorar a vida cotidiana e a mobilidade dos refugiados. Iraque e Colômbia serão os próximos países a pilotar a iniciativa.
Paralelamente, mais de 100 ministros da educação e 100 representantes de universidades que participam do programa de Presidentes da UNESCO se reuniram para discutir maneiras de incentivar um "campus global" mais inclusivo que possa apoiar uma melhor mobilidade dos estudantes e lidar com o rápido crescimento das matrículas no ensino superior.
Outras iniciativas durante a Conferência Geral concentraram-se em questões contemporâneas: Ciência – A Conferência Geral decidiu embarcar em um processo consultivo, inclusivo e participativo para definir um novo instrumento normativo global sobre Ciência Aberta – a Recomendação da UNESCO sobre Ciência Aberta a ser adotada pelos Estados Membros da UNESCO em 2021. Inteligência artificial – A Conferência Geral também deu à UNESCO um mandato para desenvolver o primeiro instrumento normativo sobre a ética da inteligência artificial. Isso ajudará o mundo a alcançar um consenso ético sobre a Inteligência Artificial, que não é apenas um ponto de virada tecnológico, mas também uma ruptura antropológica. Após participar de amplas consultas, os especialistas selecionados pela UNESCO serão responsáveis pela preparação de um texto preliminar. Foram agendadas duas reuniões intergovernamentais para 2021 para finalizar essas regras éticas com base em direitos humanos fundamentais.
Cultura – Os 122 ministros da cultura que se reuniram na UNESCO destacaram o papel essencial da cultura no desenvolvimento de sociedades mais fortes, mais resilientes e mais inclusivas.
Após a reunião ministerial, o México anunciou que sediaria uma segunda Conferência Mundial da Mondiacult sobre Políticas Culturais em 2022. Na primeira conferência em 1982, a comunidade internacional redefiniu a cultura como o "conjunto de características espirituais, materiais, intelectuais e emocionais distintas da sociedade ou de um grupo social". Estas informações que repassei da 40ª conferência da UNESCO, demonstra que temos muitos desafios a superar neste início de Século XXII no campo da educação e cultura.

A Conferência Geral  da Organização das  Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reúne todos os 193 Estados Membros da uma vez a cada dois anos. Referida conferência UNESCO é mais uma vez um local para conversas globais. Os participantes incluíram: 14 Chefes de Estado e de Governo, 100 ministros de educação, 122 ministros da cultura, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, o Presidente da Assembléia Geral das Nações Unidas, Tijjani Muhammad-Bande, o Presidente do país anfitrião, França, Emmanuel Macron.
Destas questões, a educação está no topo da lista de prioridades para os Estados Membros e a UNESCO é a responsável por coordenar as ações da comunidade internacional para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS 4) , educação de qualidade para todos. Ele transforma esse objetivo ambicioso em idéias, ações e leis.
Nos últimos meses, a UNESCO intensificou seu trabalho para coordenar atores internacionais no campo da educação através de eventos importantes: a Reunião de Ministros da Educação do G7 em julho na UNESCO e o Comitê Gestor do ODS4 durante a Conferência Geral.
A UNESCO começou a se concentrar no futuro, lançando a importante iniciativa "O Futuro da Educação". O processo de consulta começou após o lançamento da iniciativa na Assembléia Geral das Nações Unidas no final de setembro. Uma comissão internacional, reunindo especialistas de vários campos e regiões do mundo, foi criada sob a liderança de Sahle-Work Zewde, presidente da Etiópia. A Comissão produzirá um relatório global sobre o futuro da educação em novembro de 2021.
Lançou outras iniciativas importantes: Sua Educação, Nosso Futuro foi lançada na Cúpula do G7 em julho, na presença da ganhadora do Prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai e do presidente francês Emmanuel Macron. Esta iniciativa tem como objetivo coletar dados confiáveis, com vistas a tomar ações efetivas para apoiar a igualdade de gênero na e através da educação; melhorar estruturas legais e políticas e planos para promover direitos; e implementar melhores práticas de ensino e aprendizagem.
Duas iniciativas educacionais produziram resultados durante esta Conferência Geral: A Convenção Global sobre o Reconhecimento das Qualificações do Ensino Superior, que é o culminar de esforços de longo prazo em favor de um ensino superior mais justo e transparente.  A convenção apoiará o reconhecimento de estudos realizados no exterior, facilitando a mobilidade acadêmica de estudantes e professores. Na prática, este texto garantirá que as competências de migrantes e refugiados sejam reconhecidas e que elas possam acessar o ensino superior, removendo um grande obstáculo jurídico. Esta convenção entrará em vigor após ser ratificada por 20 países. Apoiará a mobilidade acadêmica inter-regional e a implementação de princípios universais para o reconhecimento de qualificações. Ele se baseará nas cinco convenções regionais da UNESCO sobre o reconhecimento das qualificações do ensino superior.
Os refugiados também se beneficiarão da segunda grande conquista da Conferência Geral no campo da educação e ensino superior: o Passaporte de Qualificações para Refugiados e Migrantes Vulneráveis , que está atualmente sendo testado na Zâmbia. Os resultados iniciais são extremamente encorajadores e mostram como esses tipos de ferramentas legais podem melhorar a vida cotidiana e a mobilidade dos refugiados. Iraque e Colômbia serão os próximos países a pilotar a iniciativa.
Paralelamente, mais de 100 ministros da educação e 100 representantes de universidades que participam do programa de Presidentes da UNESCO se reuniram para discutir maneiras de incentivar um "campus global" mais inclusivo que possa apoiar uma melhor mobilidade dos estudantes e lidar com o rápido crescimento das matrículas no ensino superior.
Outras iniciativas durante a Conferência Geral concentraram-se em questões contemporâneas: Ciência – A Conferência Geral decidiu embarcar em um processo consultivo, inclusivo e participativo para definir um novo instrumento normativo global sobre Ciência Aberta – a Recomendação da UNESCO sobre Ciência Aberta a ser adotada pelos Estados Membros da UNESCO em 2021. Inteligência artificial – A Conferência Geral também deu à UNESCO um mandato para desenvolver o primeiro instrumento normativo sobre a ética da inteligência artificial. Isso ajudará o mundo a alcançar um consenso ético sobre a Inteligência Artificial, que não é apenas um ponto de virada tecnológico, mas também uma ruptura antropológica. Após participar de amplas consultas, os especialistas selecionados pela UNESCO serão responsáveis pela preparação de um texto preliminar. Foram agendadas duas reuniões intergovernamentais para 2021 para finalizar essas regras éticas com base em direitos humanos fundamentais.
Cultura – Os 122 ministros da cultura que se reuniram na UNESCO destacaram o papel essencial da cultura no desenvolvimento de sociedades mais fortes, mais resilientes e mais inclusivas.
Após a reunião ministerial, o México anunciou que sediaria uma segunda Conferência Mundial da Mondiacult sobre Políticas Culturais em 2022. Na primeira conferência em 1982, a comunidade internacional redefiniu a cultura como o "conjunto de características espirituais, materiais, intelectuais e emocionais distintas da sociedade ou de um grupo social". Estas informações que repassei da 40ª conferência da UNESCO, demonstra que temos muitos desafios a superar neste início de Século XXII no campo da educação e cultura.

 

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE